O que é o ego? (Jerry Jampolsky)


O que é o ego?
(Jerry Jampolsky)

Eu emprego o termo ego de um modo diferente da maioria dos psicanalistas. Eu visualizo o ego como uma falsa imagem, uma forma que está associada ao corpo e ao eu físico. É um sonho que rejeita a nossa verdadeira identidade do eu espiritual, um eu que não apresenta forma física.

O ego por si só desafia a definição, mas seus efeitos em nossa vida são facilmente discutíveis. A principal mensagem do ego é o medo – medo de estarmos completamente sozinhos em um mundo de privações e de termos de buscar (mas jamais encontrar) aquilo que estamos procurando. Ele desconhece o significado do amor e considera a paz sua inimiga. Encara o mundo como um local de separação, de corpos separados em mentes separadas. Não acredita na totalidade ou na unicidade. Faz com que acreditemos que o nosso mundo está muito mais fundamentado no medo e na agressão do que no amor. Rejeita a existência do eu espiritual e nos diz que a realidade é o que percebemos através dos nossos sentidos físicos. Este livro descreve a minha luta contra o ego e as minhas tentativas para despertar o eu espiritual – o eu que não está limitado ao corpo, ao tempo ou ao espaço.

Minha batalha com Deus baseava-se na insistência do meu ego em fazer-me acreditar mais no medo do que em Deus; seguir suas regras em vez de deixar Deus ser o meu diretor e o meu guia. Desfazendo-me do medo, tentei contar – com muito pouco sucesso – com o meu próprio planejamento, meu próprio intelecto, minha própria vontade, meus próprios julgamentos e minhas próprias experiências passadas. Isso, é óbvio, é exatamente o que o ego quer que nós todos façamos.

Lutei com Deus todas as vezes que me permiti bloquear a lembrança de Deus. Logo, sempre que eu acusava outra pessoa ou me condenava, fazia um julgamento ou ficava muito irritado, em algum nível da minha consciência, eu estava lutando com Deus.

Agora, estou consciente de ter passado a maior parte da minha vida tentando me proteger daquilo que o meu ego percebia como agressões de outras pessoas. Eu usava muitos disfarces para ocultar meus temores e sentimentos verdadeiros pelos outros, assim como por mim mesmo.

Eu usava a rejeição e a repressão para esconder a verdade de mim mesmo. Meu ego conservava essas coisas ocultas em quartos separados na minha mente, fechava cada quarto com portas de aço, de forma que não pudesse haver comunicação entre eles. E mesmo quando eu estava gritando aterrorizado em um desses quartos, ninguém podia ouvir meus gritos.

Meu ego caótico mantinha a adrenalina elevada, uma condição que me fazia ver o mundo sempre de um modo ofensivo, sempre na posição de ataque.

Não é de admirar que minha postura diante da vida tenha se tornado uma constante defesa.
Como um deus autogerado, vivi como se tivesse sido colocado no mundo para julgar, modificar, controlar e manipular os outros. Procurei adaptá-los aos moldes do meu próprio modelo e, da forma mais arrogante, decidi quem merecia e quem não merecia a minha atenção.

Quase todos os dias da minha vida foram preenchidos com os temores criados pelo meu ego, alertando-me de todas as coisas terríveis que podiam acontecer comigo. Eu estava preocupado com a dor que eu poderia sofrer no futuro. Minhas decisões eram egoístas e se baseavam naquilo que eu pensava que me daria mais prazer e menos dor e, sem percebê-lo freqüentemente, eu acabava confundindo as duas coisas.

Estava convencido de que o meu passado infeliz era a previsão de um horrendo futuro e, é claro, continuei atuando das maneiras que davam certo para mim. Sempre achava difícil tomar decisões. Estava obcecado pela idéia de que sempre faria a escolha errada. O resultado era que eu carregava um enorme fardo de culpa sobre os ombros. Não é nenhuma novidade, portanto, que a maior parte da vida eu tenha sido incomodado com dores nas costas.

Pensei, erroneamente, que qualquer afeto que recebesse seria condicional, proporcional à maneira com que me conduzia ou ao quanto eu produzia. Além do mais, acreditei que o meu sucesso pudesse ser medido pela quantidade e qualidade das posses materiais adquiridas. Ainda tinha de aprender que jamais poderia ser verdadeiramente feliz se estivesse vazio espiritualmente, mais voltado para conquistar do que para doar.

Houve momentos em que achei que a vida nada mais era do que apenas provações e fiz o melhor que podia para agüentar com toda a garra. Estava convencido de que tinha de "fazer tudo isso completamente sozinho".

Descobri pelo caminho mais difícil que as decisões baseadas na satisfação do ego não trazem felicidade, paz, amor, ou realização. Pelo contrário, trazem tristeza, desapontamento, cegueira, conflito e vazio.
Em 1973, meu casamento de 20 anos – um casamento que tinha gerado dois filhos – acabou em divórcio. Tornei-me amargo e deprimido. Minha culpa era devastadora. Eu me senti como se estivesse em um elevador precipitando-se descontroladamente para o térreo. A vida não mais parecia ser válida. Voltei-me mais e mais para o álcool, inescrupuloso com a minha própria destruição.

Tentei todos os tipos de terapia, convencionais e não convencionais. Nada ajudou. Fui detido por dirigir alcoolizado mais de uma vez e estive a ponto de perder tanto a minha licença médica quanto a de motorista.

Estava exausto de medo e infelicidade. A última coisa no mundo que me interessava era Deus.
Então ocorreu um milagre. Até esse momento a palavra milagre nem sequer constava no meu vocabulário. Em maio de 1975, Judy Skutch Whitson, uma amiga próxima e querida, telefonou-me da cidade de Nova Iorque. Ela estava muito entusiasmada por causa de um livro que acabara de ler e achou que ele podia mudar minha vida. "E sobre Deus e transformação espiritual", ela disse. Eu não estava nem um pouquinho interessado.

Poucos dias depois, Judy trouxe o livro para minha casa na Califórnia. Seu título era A COURSE IN MIRACLES. Eu nem mesmo gostei do nome. Judy insistiu, obrigando-me a examinar o escrito. Respondi de um modo condescendente, "Tudo bem, vou ler uma página, mas isso é tudo".
O que ocorreu a seguir foi uma experiência que jamais serei capaz de compartilhar totalmente, apesar de ter tentado fazê-lo, literalmente, milhares de vezes. Depois de ler aquela única página, comecei a chorar. Bem dentro de mim uma voz pequenina disse, "Médico, cure a si mesmo. Esse é o seu caminho de volta para casa".

Só consigo fazer alusões ao que se passou depois disso. Senti que o universo se tornava acessível para mim, e tornei-me parte de tudo que existia. Não havia nenhuma separação e senti clareza na crença de que a essência do meu ser era o amor. Experimentei uma sensação de paz e alegria que estava além de qualquer coisa que eu havia sentido anteriormente.

No fundo da minha alma eu também possuía sentimentos de ternura, gentileza, segurança e um conhecimento interior de que eu estava na presença de Deus. Tudo isso estava envolto em eternidade. Senti que, daquele momento em diante, minha vida seria modificada. Eu ia viver uma vida devotada a Deus. Naquele único instante, de algum jeito eu sabia que a minha vida seria dedicada a dar.

Jamais compreendera o que era uma experiência mística, mas percebi que era aquilo que eu estava vivenciando. Em meu coração, senti que um mapa de vida estava sendo dado para mim e que a vontade de Deus e a minha passariam a ser uma só.

Olhando para trás, tornou-se evidente que até aquele instante eu estivera fazendo um grande esforço para definir qual roteiro eu seguiria em minha vida - o de Deus ou o do meu ego. Também tornou-se evidente que a minha batalha fora solitária o tempo todo, pois Deus jamais estivera comprometido com ela. Eu estivera travando uma batalha sozinho comigo mesmo.

Olhando para trás, tornou-se evidente que até aquele instante eu estivera fazendo um grande esforço para definir qual roteiro eu seguiria em minha vida - o de Deus ou o do meu ego. Também tornou-se evidente que a minha batalha fora solitária o tempo todo, pois Deus jamais estivera comprometido com ela. Eu estivera travando uma batalha sozinho comigo mesmo. Agora percebo que Deus estava pacientemente esperando que eu me desligasse das minhas falsas convicções e retomasse para a Fonte de toda Vida, que na realidade eu jamais abandonara.

Ao longo do estudo de A COURSE IN MIRACLES comecei a perceber que só existiam duas maneiras de se tomar decisões. A primeira já me era familiar: minha velha maneira de ouvir o ego, uma voz baseada no medo e na separação. A segunda era a que eu acabara de começar a aprender, que era ouvir a voz de Deus, uma voz baseada no amor e na associação.

Antes dessa época, se qualquer pessoa tivesse me dito que era possível tomar decisões deixando Deus dirigi-las, deixando que a minha vontade e a de Deus fossem uma só, eu a teria considerado louca.
Agora percebo que estivera buscando, a minha vida inteira, mas não sabia verdadeiramente o que estava procurando. Além disso, agora percebo que toda a humanidade se constitui de seres que buscam a verdade. Estamos todos procurando descobrir o eterno, e preencher a lacuna vazia da separação e da solidão que criamos falsamente para nós mesmos.

Nada havia saciado a sede dos meus desejos no plano físico. Nunca me ocorrera que eu estava procurando o alvo errado, ou que eu estava buscando nos locais errados. Como o ego é brilhante em esconder a verdade de nossa consciência! A complexidade do meu medo me conservara nas trevas e me cegara para a simplicidade da resposta final - que tudo que eu tinha de fazer era desprender-me das minhas ligações com o mundo exterior e confiar na interiorização.

JERRY JAMPOLSKY

Um comentário:

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.