Liberte-se.

Dê um espaço para você mesmo.

Olhe, conte sua história.

Escreva.

Faça um exercício, pegue um lápis e um papel e comece a escrever.

Imagine alguém que você considera significativo: Escreva para essa pessoa.

- O que você gostaria de contar?



E porque é tão importante assim você contar essa história?

Te dá alivio?

Diga tudo o que pensa.

Até o que é tão difícil, o que você considera tão condenável.

Aquilo que você teme dizer até para si mesmo!

Liberte-se.

Deixe ir, deixe que os pensamentos atravessem sua mente, escreva-os.

Não segure nada.

Não condene.

Apenas deixe passar.

Como as águas de uma cachoeira.

Sua mente é o cenário mais completo que o Divino lhe concedeu.

Onde tudo é possível. Evoque o sagrado que há em você.

Desabafe. Jogue nas águas dessa cachoeira de luz. Liberte-se. Solte as amarras de seu pensamento.

Não há julgamentos.

Não existem condenações.

Com atenção e a intenção você permite a comunicação mais profunda.

Imagine, sinta e permita contar a sua história.

Não se importe com o mundo.

É seu ato de amor!

De amor próprio.

Comece por ai.

Ninguém está certo ou errado.

Tudo é muito relativo.

Apenas expresse.

Isso vai te fazer muito bem.

Depois, transmute, queime, pique, libere.

Faça sua alquimia interna.

E experimente o novo!

Cida Medeiros

Um comentário:

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.