Androginia - A totalidade do Ser

Uma nova abordagem sobre a Sexualidade

Taoismo

Ying - Feminino
Yang - Masculino
Tao - Androgenia

A totalidade do Ser, envolve aspectos masculinos e femininos que bem integrados dentro da Psique, levam ao androginato da Alma.

Uma visão nova a respeito do terceiro sexo. Trazendo dignidade e respeito para a incluir os seres que já atingiram essa maturidade interna.

Devemos observar que esse casamento interior, entre as forças primordiais masculinas e femininas levam a um nova teoria a respeito da sexualidade. Um tema muito discutido pela autora June Singer no seu livro "Androginia" - Rumo a uma nova Teoria da Sexualidade. 

Ela mesmo diz: Androginia é um estado de amor ativo que podemos sentir pelas nossas dualidades psíquicas: atividade/passividade, competição/cooperação, independência/dependência, lógica/intuição, e muitas outras. Porém, dentre elas, há uma que parece ser a geradora de todas, a saber, a dualidade: masculino/feminino.

Nesse livro a autora insiste em que devemos explorar a nossa psique, que examinemos os elementos que lutam entre sí, e que busquemos nossa própria cura, que tornemos integros, que nos tornemos andróginos.

Sabemos que essa dualidade já vem causando transtorno nas mentes humanas que não conseguem ter a coragem de olhar para dentro de sí e dialogar com seus aspectos conflitantes. 

Essa nova abordagem visa retirar as pessoas do obscurantismo de suas proprias mentes,escravas da tirania da convençao, prisioneiros do medo, que passam a depositar em algum individuo fora de sí toda a sua maldade. 

O individuo que não lida bem com seus aspectos femininos e masculinos, e não lida bem com sua própria sexualidade tende a transferir para o outro suas bagagens de "ódio incontido", de vergonha, do preconceito, da culpa, e toda a podridão reprimida em seu inconsciente e jogado para o outro como uma carga.

A visão do casamento entre opostos procura contribuir como uma nova visão a respeito das posturas rígidas adotadas pela sociedade face a sexualidade entre iguais.

O amor é uma energia impossível de se conter em formas pre-estabelecidas, em normas e em convenções, é uma força que transcende os limites, que quebra regras, moralismos, dogmatismos e rigidez. 

Porém aquele que é prisioneiro de sí mesmo, sofre as conseqüências de estar condenado.

Essa é uma discussão muito importante, para trazer a publico um pouco mais de informação, e permitir as pessoas poderem falar e colocarem sua opinião e até aprofundarem o tema no livro que já foi citado. 

É imperativo que os incomodados revejam suas posturas egoístas e se pacifiquem internamente.

O dialogo permite uma maior aceitação dos outros grupos e uma maior inclusão social.

Outros comentários:

"A Dr. Singer prestou um serviço inestimável ao escrever "Androginia" Stanley Krippner, Ph.D.
June Singer, Ph.D, é psicanalista formada pelo instituto C.G. Jung de Zurique.
Androginia - Rumo a uma nova teoria da Sexualidade - Ed. Cultrix.

Texto elaborado por Cida Medeiros.


O Ódio - Segundo Bert Hellinger

Casa das Rosas
"O espirito nos une e o Ego nos separa." 
Cida Medeiros

Ódio é amor decepcionado.

É, sobretudo, um sentimento infantil, contudo, não resulta sempre de uma decepção pessoal.

Com freqüência, o ódio aparece quando alguém assume, inconscientemente, a decepção de um outro membro de sua família.

Por exemplo, odiamos em nome da nossa mãe quando queremos vingar uma injustiça cometida contra ela. 

O ódio que se manifesta, às vezes, em atos cegos de vingança é, em sua desmedida, um sentimento infantil.

Porém ele é brandido como luta por uma causa justa, por exemplo, em nome do grupo ou do povo ao qual se pertence. 

Leva pessoas a empenhar e sacrificar a própria vida a serviço dessa vingança.

Que imagem interna nutre e atiça esse ódio? 

- É a imagem da mãe, a quem nossa criança diz:

"Por ti farei qualquer coisa".

Como podemos lidar com essas pessoas raivosas? 

Como chegar a elas e levá-las à reflexão? 

- Amando a mãe delas e amando a imagem que elas fazem da mãe. 
Não precisamos dizer isso a elas. 

Não devemos tratá-las como crianças, embora em seu intimo, o sejam, mas guardamos em nós essa imagem e a respeitamos.

Com isso, já não oferecemos ao seu ódio uma face agressiva. 

Abstendo-nos de tomar partido, apenas reconciliando internamente ambos os lados, com respeito.

O que acontece então? 

- A imagem da mãe, pela qual seus filhos combatem tão furiosamente, olha amigavelmente para nós e, por nosso intermédio, também olha amigavelmente para seu filhos.

Dessa maneira o ódio mostra a sua outra face - uma face amorosa.

Do livro "Pensamento a Caminho" de Bert Hellinger


Dez passos para se amar

Dez passos para se amar
Por Louise Hay
1 - Parem com toda a crítica - A crítica nunca muda coisa alguma. Recusem criticar-se. Aceitem-se exatamente como vocês são. Todos mudam. Quando vocês se criticam, suas mudanças são negativas. Quando se aprovam, suas mudanças são positivas.
2 - Não se alarmem - Parem de se aterrorizar com seus pensamentos. Encontrem uma imagem mental que lhes dê prazer e imediatamente desviem os seus pensamentos para algo agradável.
3 - Sejam gentis, bondosos e pacientes - tratem-se com paciência, gentileza e bondade. Tratem-se como fariam com alguém a quem amassem.
4 - Sejam gentis com sua mente. Odiar-se é somente odiar os seus próprios pensamentos. Mudem gentilmente os seus pensamentos para pensamentos mais amorosos.
5 - Elogiem-se. A autocrítica deprime o espírito interior. A exaltação o edifica. Afirmem a vocês mesmos como é apropriado o que estão fazendo com tudo.
6 - Apoiem-se. Aproximem-se dos amigos e permitam com que eles os ajudem. Ser forte é pedir por ajuda quando mais precisam.
7 - Sejam amorosos com seus pontos negativos - Reconheçam que os criaram para satisfazer uma necessidade. Agora estão encontrando novas maneiras positivas de preencherem estas necessidades. Liberem os velhos padrões.
8 - Cuidem do seu corpo - Aprendam sobre nutrição. O que o seu corpo necessita para ter a energia e a vitalidade ideal ? Aprendam sobre exercícios. Estimem o templo em que vocês vivem.
9 - Trabalho do Espelho - Olhem dentro dos seus olhos freqüentemente. Expressem o sentido crescente do amor que sentem por vocês mesmos. Perdoem-se por tudo, enquanto se fitam no espelho. Uma vez ao dia digam, "Eu amo você" para vocês mesmos no espelho.
10- Façam-no Agora - Não esperem até que vocês fiquem bem, percam peso ou recebam um novo emprego. Comecem agora, façam o melhor que puderem.
Animacoes GRATUITAS para seu e-mail – do IncrediMail! Clique aqui!

Totalidade



Uma forma de sentir a totalidade e estar na presença, vejam a visão de Osho.
Interessante. Cida Medeiros

A cada momento há a possibilidade de se ser total.
Seja o que for que você esteja fazendo, fique tão
completamente absorto, de modo que a mente não pense
em nada, esteja simplesmente ali, seja apenas uma
presença. E mais e mais a totalidade virá para você e
o sabor da totalidade o tornará cada vez mais e mais
capaz de ser total. Procure perceber quando você não
está sendo total. Esses são os momentos que precisarão
ir sendo abandonados pouco a pouco. Quando você não é
total...Sempre que você estiver na cabeça, pensando,
refletindo, fazendo cálculos, sendo astuto, achando
soluções engenhosas, você não é total. Pouco a pouco,
vá se descartando desses momentos. Trata-se apenas de
um velho hábito. Hábitos são difíceis de se abandonar.
Mas eles morrem certamente, se a pessoa persiste, eles
morrem. (Osho)
Animacoes GRATUITAS para seu e-mail – do IncrediMail! Clique aqui!

O Caminho de Devoção

O que segue, foi obtido do Livro: Ensinamentos de Sai Baba
Sinto que colocar esse olhar do Divino em todas as nossas ações, pode realmente conduzir-nos a bem aventurança. É um agir reto, comprometido, independente de qualquer coisa, é uma oferta ao mundo, agir com amor, por amor, por todas as criaturas, vendo cada Ser Humano, um Ser Divino em ação.

Não julgar, apenas exercitar essa presença, fazer acontecer, deixar fluir, permear todas as ações, com essa intenção consciente, fazer a nossa parte.
Cida Medeiros

O Caminho da Devoção
Deus está além do físico, do sutil e do causal. Mas, como Soberano, Ele governa todos estes. Ele é o Senhor do tempo: passado, presente e futuro. Aos seres humanos foram dadas capacidades limitadas, assim, é muito difícil entender o princípio divino.
Nesse caso, o caminho mais fácil a seguir é o caminho da devoção. Esse foi o quê Krishna ensinou a Arjuna. Krishna descreveu o caminho devocional em três etapas.
A primeira e mais importante é:

Trabalhe para Deus !

- Você pode não se dar conta, mas cada pequena parte de seu trabalho seu já é feita para Deus. Ele é o supremo Senhor deste mundo, e tudo aqui pertence a Ele. Sabendo disso, conscientemente, faça de cada ação que você executa uma oferta a Deus. Devote todos os seus trabalhos a Ele, lembrando-se sempre de
que Deus não está fora de você.
A segunda etapa é:

Por Deus e nada mais !

- Até esta etapa, você só pensou em si mesmo. Mas, quem é você ? Quem é esse "eu" que você usa para se
referir a si mesmo ? Krishna disse: "Sou Eu quem resplandece em você." Este "eu" emana do ser supremo, do ser imortal, o atma. Este "eu" não deveria ser igualado ao corpo, ou à mente, ou à faculdade intuitiva, ou a
qualquer outro aspecto do indivíduo. Ele transcende o pequeno ‘eu’ particular do indivíduo. Este "eu" se relaciona apenas ao ilimitado, ao ser impessoal, ao ser divino, que é o verdadeiro ser de cada um.
O limitado ser pessoal, chamando a si mesmo de "eu", associou-se ao universal. Mas o ser pessoal não é o ser real. Trata-se apenas de um reflexo do ser divino uno e imortal. Tudo que você tem feito tem sido
para a satisfação do ser divino somente. Não percebendo esta sagrada verdade, você tem sido pegado e arrastado pela ilusão. Krishna disse a Arjuna: "O que quer que você faça, faça para satisfazer a Mim; faça por
Mim. Faça tudo para Mim. Execute todas as suas ações em Meu benefício. Aja como Meu agente." Esse "Mim", "Meu" ou "Eu" que Krishna fala, não se refere a Deus fora de você. Refere-se ao atma, seu ser
divino. Faça tudo, seja lá o que for, por Deus e mais nada, que não é outro senão o seu ser mais elevado.
A terceira etapa é:

Devote-se apenas a Deus !

- Entenda o segredo interno desta diretiva.
Devoção é a expressão do amor; e a emoção chamada amor emana de Deus, seu ser superior. O amor vem de Deus e é dirigido a Deus. O amor não tem relação alguma com sentimentos mundanos ou coisas profanas.
Amor, que é apenas outra palavra para devoção, é o verdadeiro nome de seu ser mais elevado. Este princípio do amor, emanando do âmago de seu coração, deve saturar cada ação, palavra e pensamento. Isto
acontecerá quando você considerar que tudo o quê faz, diz ou pensa é para a satisfação de Deus e mais nada.

Seu Ser Superior é Deus

Pensamento de Sai Baba

  
PENSAMENTO PARA O DIA
A Bhagavad Gita declara: 'Deus é onipresente. Com mãos, pés, olhos, cabeças, bocas e ouvidos permeando todos lugares, Ele impregna o universo inteiro'. Nada escapa à Sua atenção. Portanto, nós deveríamos manter nossas mentes sempre preenchidas com pensamentos bons, já que Deus está constantemente pronunciando a bênção da realização, dizendo: "Então, assim seja!". Quando está submetido ao sofrimento, você culpa Deus e não percebe que sua angústia é a conseqüência de seus próprios pensamentos. Por essa razão, você deveria ter sempre pensamentos bons e procurar boa companhia.
SATHYA SAI BABA

Arquétipos pela Visão Critica de Ken Wilber

OS ARQUÉTIPOS DE JUNG
COMENTÁRIOS DE KEN WILBER

Tradução de Ari Raynsford (ari@interair.com.br)

1) Excertos da entrevista de Ken Wilber à jornalista alemã Edith Zundel (do livro Grace and Grit – Graça e Determinação)

EZ: Eu, Rolf e nossos leitores estamos particularmente interessados na interface entre psicoterapia e religião.

KW: E o que significa para você a palavra religião? Fundamentalismo? Misticismo? Exoterismo? Esoterismo?

EZ: Bem, este é um bom ponto para começarmos. Se não me engano, em Um Deus Social você apresentou onze diferentes definições para religião ou onze diferentes maneiras como é usada a palavra religião.

KW: Sim, e minha opinião é que não podemos falar de ciência e religião, ou de psicoterapia e religião, ou de filosofia e religião antes de definir o que entendemos pela palavra religião. E visando ao nosso objetivo, no momento, penso que devemos distinguir pelo menos entre o que é conhecido por religião exotérica e religião esotérica. A religião exotérica ou “exterior” é religião mítica, religião que é terrivelmente concreta e literal, que realmente acredita, por exemplo, que Moisés abriu o Mar Vermelho, que Cristo nasceu de uma virgem, que o mundo foi criado em seis dias, que, um dia, literalmente choveu maná do céu, e assim por diante. Em todo o mundo, religiões exotéricas consistem desses tipos de crenças. Os hindus acreditam que a Terra deve estar apoiada em algo; assim, crêem encontrar-se sobre um elefante que, também necessitando de suporte, está sobre uma tartaruga; esta, por sua vez, encontra-se sobre uma serpente. E quando surge a pergunta “Em que a serpente está apoiada?”, a resposta dada é “Mudemos de assunto”. Lao Tsé nasceu com novecentos anos, Krishna acasalou-se com quatro mil vacas, Brahma nasceu da quebra de um ovo cósmico etc. Isto é religião exotérica, uma série de estruturas de crenças que tentam explicar os mistérios do mundo em termos míticos ao invés de termos testemunhais ou de experiência direta.

O que é o ego? (Jerry Jampolsky)


O que é o ego?
(Jerry Jampolsky)

Eu emprego o termo ego de um modo diferente da maioria dos psicanalistas. Eu visualizo o ego como uma falsa imagem, uma forma que está associada ao corpo e ao eu físico. É um sonho que rejeita a nossa verdadeira identidade do eu espiritual, um eu que não apresenta forma física.

O ego por si só desafia a definição, mas seus efeitos em nossa vida são facilmente discutíveis. A principal mensagem do ego é o medo – medo de estarmos completamente sozinhos em um mundo de privações e de termos de buscar (mas jamais encontrar) aquilo que estamos procurando. Ele desconhece o significado do amor e considera a paz sua inimiga. Encara o mundo como um local de separação, de corpos separados em mentes separadas. Não acredita na totalidade ou na unicidade. Faz com que acreditemos que o nosso mundo está muito mais fundamentado no medo e na agressão do que no amor. Rejeita a existência do eu espiritual e nos diz que a realidade é o que percebemos através dos nossos sentidos físicos. Este livro descreve a minha luta contra o ego e as minhas tentativas para despertar o eu espiritual – o eu que não está limitado ao corpo, ao tempo ou ao espaço.

Minha batalha com Deus baseava-se na insistência do meu ego em fazer-me acreditar mais no medo do que em Deus; seguir suas regras em vez de deixar Deus ser o meu diretor e o meu guia. Desfazendo-me do medo, tentei contar – com muito pouco sucesso – com o meu próprio planejamento, meu próprio intelecto, minha própria vontade, meus próprios julgamentos e minhas próprias experiências passadas. Isso, é óbvio, é exatamente o que o ego quer que nós todos façamos.

Lutei com Deus todas as vezes que me permiti bloquear a lembrança de Deus. Logo, sempre que eu acusava outra pessoa ou me condenava, fazia um julgamento ou ficava muito irritado, em algum nível da minha consciência, eu estava lutando com Deus.

Agora, estou consciente de ter passado a maior parte da minha vida tentando me proteger daquilo que o meu ego percebia como agressões de outras pessoas. Eu usava muitos disfarces para ocultar meus temores e sentimentos verdadeiros pelos outros, assim como por mim mesmo.

Eu usava a rejeição e a repressão para esconder a verdade de mim mesmo. Meu ego conservava essas coisas ocultas em quartos separados na minha mente, fechava cada quarto com portas de aço, de forma que não pudesse haver comunicação entre eles. E mesmo quando eu estava gritando aterrorizado em um desses quartos, ninguém podia ouvir meus gritos.

Meu ego caótico mantinha a adrenalina elevada, uma condição que me fazia ver o mundo sempre de um modo ofensivo, sempre na posição de ataque.

Não é de admirar que minha postura diante da vida tenha se tornado uma constante defesa.
Como um deus autogerado, vivi como se tivesse sido colocado no mundo para julgar, modificar, controlar e manipular os outros. Procurei adaptá-los aos moldes do meu próprio modelo e, da forma mais arrogante, decidi quem merecia e quem não merecia a minha atenção.

Quase todos os dias da minha vida foram preenchidos com os temores criados pelo meu ego, alertando-me de todas as coisas terríveis que podiam acontecer comigo. Eu estava preocupado com a dor que eu poderia sofrer no futuro. Minhas decisões eram egoístas e se baseavam naquilo que eu pensava que me daria mais prazer e menos dor e, sem percebê-lo freqüentemente, eu acabava confundindo as duas coisas.

Estava convencido de que o meu passado infeliz era a previsão de um horrendo futuro e, é claro, continuei atuando das maneiras que davam certo para mim. Sempre achava difícil tomar decisões. Estava obcecado pela idéia de que sempre faria a escolha errada. O resultado era que eu carregava um enorme fardo de culpa sobre os ombros. Não é nenhuma novidade, portanto, que a maior parte da vida eu tenha sido incomodado com dores nas costas.

Pensei, erroneamente, que qualquer afeto que recebesse seria condicional, proporcional à maneira com que me conduzia ou ao quanto eu produzia. Além do mais, acreditei que o meu sucesso pudesse ser medido pela quantidade e qualidade das posses materiais adquiridas. Ainda tinha de aprender que jamais poderia ser verdadeiramente feliz se estivesse vazio espiritualmente, mais voltado para conquistar do que para doar.

Houve momentos em que achei que a vida nada mais era do que apenas provações e fiz o melhor que podia para agüentar com toda a garra. Estava convencido de que tinha de "fazer tudo isso completamente sozinho".

Descobri pelo caminho mais difícil que as decisões baseadas na satisfação do ego não trazem felicidade, paz, amor, ou realização. Pelo contrário, trazem tristeza, desapontamento, cegueira, conflito e vazio.
Em 1973, meu casamento de 20 anos – um casamento que tinha gerado dois filhos – acabou em divórcio. Tornei-me amargo e deprimido. Minha culpa era devastadora. Eu me senti como se estivesse em um elevador precipitando-se descontroladamente para o térreo. A vida não mais parecia ser válida. Voltei-me mais e mais para o álcool, inescrupuloso com a minha própria destruição.

Tentei todos os tipos de terapia, convencionais e não convencionais. Nada ajudou. Fui detido por dirigir alcoolizado mais de uma vez e estive a ponto de perder tanto a minha licença médica quanto a de motorista.

Estava exausto de medo e infelicidade. A última coisa no mundo que me interessava era Deus.
Então ocorreu um milagre. Até esse momento a palavra milagre nem sequer constava no meu vocabulário. Em maio de 1975, Judy Skutch Whitson, uma amiga próxima e querida, telefonou-me da cidade de Nova Iorque. Ela estava muito entusiasmada por causa de um livro que acabara de ler e achou que ele podia mudar minha vida. "E sobre Deus e transformação espiritual", ela disse. Eu não estava nem um pouquinho interessado.

Poucos dias depois, Judy trouxe o livro para minha casa na Califórnia. Seu título era A COURSE IN MIRACLES. Eu nem mesmo gostei do nome. Judy insistiu, obrigando-me a examinar o escrito. Respondi de um modo condescendente, "Tudo bem, vou ler uma página, mas isso é tudo".
O que ocorreu a seguir foi uma experiência que jamais serei capaz de compartilhar totalmente, apesar de ter tentado fazê-lo, literalmente, milhares de vezes. Depois de ler aquela única página, comecei a chorar. Bem dentro de mim uma voz pequenina disse, "Médico, cure a si mesmo. Esse é o seu caminho de volta para casa".

Só consigo fazer alusões ao que se passou depois disso. Senti que o universo se tornava acessível para mim, e tornei-me parte de tudo que existia. Não havia nenhuma separação e senti clareza na crença de que a essência do meu ser era o amor. Experimentei uma sensação de paz e alegria que estava além de qualquer coisa que eu havia sentido anteriormente.

No fundo da minha alma eu também possuía sentimentos de ternura, gentileza, segurança e um conhecimento interior de que eu estava na presença de Deus. Tudo isso estava envolto em eternidade. Senti que, daquele momento em diante, minha vida seria modificada. Eu ia viver uma vida devotada a Deus. Naquele único instante, de algum jeito eu sabia que a minha vida seria dedicada a dar.

Jamais compreendera o que era uma experiência mística, mas percebi que era aquilo que eu estava vivenciando. Em meu coração, senti que um mapa de vida estava sendo dado para mim e que a vontade de Deus e a minha passariam a ser uma só.

Olhando para trás, tornou-se evidente que até aquele instante eu estivera fazendo um grande esforço para definir qual roteiro eu seguiria em minha vida - o de Deus ou o do meu ego. Também tornou-se evidente que a minha batalha fora solitária o tempo todo, pois Deus jamais estivera comprometido com ela. Eu estivera travando uma batalha sozinho comigo mesmo.

Olhando para trás, tornou-se evidente que até aquele instante eu estivera fazendo um grande esforço para definir qual roteiro eu seguiria em minha vida - o de Deus ou o do meu ego. Também tornou-se evidente que a minha batalha fora solitária o tempo todo, pois Deus jamais estivera comprometido com ela. Eu estivera travando uma batalha sozinho comigo mesmo. Agora percebo que Deus estava pacientemente esperando que eu me desligasse das minhas falsas convicções e retomasse para a Fonte de toda Vida, que na realidade eu jamais abandonara.

Ao longo do estudo de A COURSE IN MIRACLES comecei a perceber que só existiam duas maneiras de se tomar decisões. A primeira já me era familiar: minha velha maneira de ouvir o ego, uma voz baseada no medo e na separação. A segunda era a que eu acabara de começar a aprender, que era ouvir a voz de Deus, uma voz baseada no amor e na associação.

Antes dessa época, se qualquer pessoa tivesse me dito que era possível tomar decisões deixando Deus dirigi-las, deixando que a minha vontade e a de Deus fossem uma só, eu a teria considerado louca.
Agora percebo que estivera buscando, a minha vida inteira, mas não sabia verdadeiramente o que estava procurando. Além disso, agora percebo que toda a humanidade se constitui de seres que buscam a verdade. Estamos todos procurando descobrir o eterno, e preencher a lacuna vazia da separação e da solidão que criamos falsamente para nós mesmos.

Nada havia saciado a sede dos meus desejos no plano físico. Nunca me ocorrera que eu estava procurando o alvo errado, ou que eu estava buscando nos locais errados. Como o ego é brilhante em esconder a verdade de nossa consciência! A complexidade do meu medo me conservara nas trevas e me cegara para a simplicidade da resposta final - que tudo que eu tinha de fazer era desprender-me das minhas ligações com o mundo exterior e confiar na interiorização.

JERRY JAMPOLSKY

A Plenitude do Ser


Roberto Crema em seu livro "Saúde e Plenitude: Um Caminho para o Ser". Editora Summus. Dentre todas as riquezas e perolas de conhecimento, algo que gostaria de enfatizar:

As tarefas que o peregrino precisa desenvolver para chegar ao Ser.

Vou citar uma frase:

"Cultive-se - Só aceitamos o que conhecemos, só amamos o que aceitamos, só conhecemos o que amamos".  Roberto Crema pag. 103.

Uma verdade plena no caminho do Ser em ação.

Só podemos mesmo aceitar algo quando nos colocamos na escuta, primeiro observamos os fatos como eles  são.

Então paramos para olhar para isso, dar um lugar em nossa consciência, acolher, ver e ouvir aquilo que se passa diante dos nossos olhos.

Depois trazer para dentro, em um processo de interiorização e de reflexão imparcial, sem julgamentos.

Acolher os aspectos sombrios que estão por trás.

Dialogar com essa parte.

Ouvi-la, sem julgamento.

 Assim que conhecemos esse aspecto de nós mesmos, exercitamos a arte do acolhimento.

Assim o amor ter mais chances de acontecer dentro de nós e irradiar para fora, manifestando assim, a conexão com o Ser.

Que é plena plenitude!

Cida Medeiros

Dignidade


"O indivíduo bom é aquele que preza pela sua dignidade, ao homenagear a dignidade alheia" 
.Huberto Rohden:

É a dignidade o valor intrínseco do próprio homem; o homem deve, livre e espontaneamente, evitar o mal e praticar o bem, não por causa de um punidor fora dele humano ou divino, mas para não ofender a sua própria pureza e santidade, para não profanar a sua nobreza e sacralidade, para não desvalorizar o seu grande e imenso valor humano.

O homem deve ter de si mesmo uma reverência e um respeito tão grande que prefira sofrer qualquer injustiça da parte de outros a cometer uma injustiça ele mesmo e por isto não por motivos de ética dualista e tradicional, mas por causa dessa misteriosa metafísica e mística centralizadas no mais profundo reduto da sua própria natureza humana.

Fonte: "Novos Rumos para a Educação. São Paulo: Martin Claret, 2005, p. 43

Formação Constelações Familiares

Constelação Familiar Cida Medeiros Ingala Robl
Modulo - Relaçao de Casal e Maternidade/Paternidade

Instrutor desse modulo é Ingala Robl Greis - Que dirigi um instituto no Mexico de Formaçao em Constelaçoes Familiares.


Modulo de formação que Cida Medeiros participou e realizou sua Constelação Familiar com Ingala.


Site: http://www.constelaciones.com.mx/programa.htm

MALEDICÊNCIA

Maledicência

Não fales mal de ninguém

Toda pessoa não suficientemente realizada em si mesma tem a instintiva tendência de falar mal dos outros.

Qual a razão última dessa mania de maledicência?

É um complexo de inferioridade unido a um desejo de superioridade.

Diminuir o valor dos outros dá-nos a grata ilusão de aumentar o nosso valor próprio.

A imensa maioria dos homens não está em condições de medir o seu valor por si mesma. 

Necessita medir o seu próprio valor pelo desvalor dos outros.

Esses homens julgam necessário apagar as luzes alheias a fim de faze­rem brilhar mais intensamente a sua própria luz.

São como vagalumes que não po­dem luzir senão por entre as trevas da noite, porque a luz das suas lan­ternas fosfóreas é muito fraca.

Quem tem bastante luz própria não necessita apagar ou diminuir as luzes dos outros para poder brilhar.

Quem tem valor real em si mesmo não necessita medir o seu valor pelo des­valor dos outros.

Quem tem vigorosa saúde espiri­tual não necessita chamar de doentes os outros para gozar a consciência da saúde própria.

As nossas reuniões sociais, os nos­sos bate-papos são, em geral, acade­mias de maledicência.

Falar mal das pessoas, das coisas alheias é um prazer tão sutil e sedutor – algo parecido com whisky, gin ou cocaína – que uma pessoa de saúde mo­ral precária facilmente sucumbe a essa epidemia.

A palavra é instru­mento valioso para o intercâmbio entre os homens. Ela, porém, nem sempre tem sido utilizada devidamente.

Poucos são os ho­mens que se valem desse precioso recurso para construir espe­ranças, balsamizar do­res e traçar rotas se­guras.

Fala-se muito por falar, para “matar tempo”. A palavra, não poucas vezes, conve­rte-se em estilete da impiedade, em lâmina da maledicência e em bisturi da revolta.

Semelhantes a gotas de luz, as boas palavras dirigem conflitos e resolvem dificuldades.
Falando, espíritos missionários reformularam os alicerces do pensamento humano.

Guerras e planos de paz sofrem a poderosa influência da palavra.

Há quem pronuncie palavras doces, com lábios encharcados pelo fel.

Há aqueles que falam meigamente, cheios de ira e ódio. São enfermos em demorado processo de reajuste.

Portanto, cabe às pessoas lúcidas e de bom senso, não dar ensejo para que o veneno da maledicência se alastre, infelicitando e destruindo vidas.

Pense nisso!

Desculpemos a fragilidade alheia, lembrando-nos das nossas próprias fraquezas.

Evitemos a censura.

A maledicência começa na palavra do reproche inoportuno.

Se desejamos educar, reparar erros, não os abordemos estando o responsável ausente.

Toda a palavra torpe, como qualquer censura contumaz, faz-se hábito negativo que culmina por envilecer o caráter de quem com isso se compraz.

Enriqueçamos o coração de amor e banhemos a mente com as luzes da misericórdia divina.

Porque, de acordo com o Evangelho de Lucas, “a boca fala do que está cheio o coração”.

(Texto extraído do livro “A Essência da Amizade” – Humberto Rohden* – EditoraMartin Claret).


Graviola cura cancer



CÂNCER UMA ERVA QUE CURA!!!

Vejam só que interessante:

Recebido de Dr. Rômulo d'Avila (médico).
Repassem aos seus contatos.
Notícias assim não são divulgadas por causa da pressão dos grandes
laboratórios farmacêuticos.
Mas esse é o lado bom da Internet.

CANCER - A ERVA QUE CURA

Foi pesquisado pela USP e é válida Dr. Panuzza confirmou.
ALÉM DE CURAR O CÂNCER, ESSA FOLHA TEM OUTROS BENEFÍCIOS.

ABAIXO SEGUE COMENTÁRIO: FOLHA DE GRAVIOLA

A folha de graviola cura câncer. Segundo Evandro Romualdo, um amigo lhe
confidenciou a seguinte história:
Que sua esposa após descobrir um câncer no seio que chegou a se espalhar
pelo seu corpo,estava praticamente com os dias de sua vida contados.
Foi então,que descobriu uma publicação sobre o CHÁ DE GRAVIOLA.
A notícia estava em um site e o título do artigo é CANCER MAGIC BULLET
DISCOVERED, but drug giants hushes it up!- 10,000 times stronger than
chemotherapy with no adverse side effects...
Na reportagem eles citam o quanto o extrato da GRAVIOLA é 10.000 vezes mais
forte do que a quimioterapia por drogas, e sem efeitos colaterais.
Citam também a árvore como sendo encontrada na floresta Amazônica.
Enfim, a esposa dele também tomou o chá, e em dois meses não tinha mais
nenhuma seqüela ou ferida.

Hoje está viva e saudável!


ABAIXO SEGUEM OS SITES DE CONSULTA:
American College for the Advancement in Medicine: http://www.acam.org

American Academy of Environmental Medicine: http://www.aaem.com

International College of Intergrative Medicine: http://www.icimed.com

Meridian Valley Laboratory: http://www.meridianvalleylab.com

A Energia que vem das Cachoeiras e das Flores

]


Esse vídeo é um bálsamo para você que navegou até aqui. Que a consciência espiritual de cada força da natureza expressa por essas imagens, revele-se e inunde-(o),(a) de paz, amor e harmonia!
Cida Medeiros

Cida Medeiros em suas reflexões de Vida

A vida renova-se a cada momento.

As vivências que trago dos muitos caminhos que passei agora são lembranças que fazem parte da minha experiência de vida.

Percebo que nada pode ser substituído, tudo tem seu grau de importância e ocupa um lugar dentro da gente.

Cada pessoa, cada instante, cada momento, fica guardado em nosso álbum interior como memórias.

São as marcas registradas de nossa passagem pela vida. Tocamos e somos tocados por cada encontro.

Dinâmica Energética do Psiquismo


G. Ciências Humanas - 8. Psicologia - 12. Psicologia
PRÁTICAS PSICOEDUCATIVAS INTEGRADORAS: UM OLHAR CRÍTICO-CULTURAL DA DINÂMICA ENERGÉTICA DO PSIQUISMO DE THEDA BASSO E AIDDA PUSTILNIK
Clicia Jatahy Peixoto 1 (clijatahy@yahoo.com.br) e Francisco Silva Cavalcante Júnior 1
(1. Departamento de Psicologia, Universidade de Fortaleza - UNIFOR)

INTRODUÇÃO:
Um grupo heterogêneo, constituído por universitários, mestrandos e um docente, insatisfeito com a separação dos saberes científico e espiritual foi estimulado a buscar em diversos métodos terapêuticos disponíveis, um caminho de profunda transformação pessoal e transpessoal. Os autores desses métodos criaram, a partir de suas experiências e significados pessoais, métodos terapêuticos próprios procurando uma mudança que permita transcender o ego e levar à essência, à natureza do Espírito. A referida pesquisa teve por objetivo sintetizar os pressupostos teóricos e práticos que fundamentam os 12 métodos selecionados, visando compreender as suas gêneses e possíveis inter-relações com conhecimentos científicos e/ou místicos de tradições das culturas ocidental e oriental. A Dinâmica Energética do Psiquismo, sendo um desses métodos, define-se como uma escola iniciática e de formação de profissionais para as áreas terapêuticas, educativa e de recursos humanos das empresas, tendo seu foco de atenção centrado na consciência e em suas manifestações no mundo físico e não físico, especialmente na experiência humana.

METODOLOGIA:

Segundo Glesne e Peshkin, os métodos de pesquisa que escolhemos dizem algo sobre o que consideramos ser um conhecimento de valor e da nossa perspectiva sobre a natureza da realidade. A pesquisa usa abordagens do tipo pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo. Utilizam-se pressupostos e técnicas da etnografia centrada na pessoa, sugerida por Wolcott, e da história de vida antropológica estudada por Langness e Frank, que permitem o enfoque de pesquisa reflexiva e a compreensão das histórias pessoais dos criadores dos métodos em estudo, estabelecendo conexões entre as vidas pessoais e as propostas terapêuticas dessas pessoas.

RESULTADOS:

A Dinâmica Energética do Psiquismo busca a integração da multidimensionalidade humana, aprendendo a conhecer e transitar nestas diversas dimensões e, a partir deste enfoque, propondo-se a recuperar os mais profundos anseios de percepção interior da totalidade. A proposta é o desbloqueio de hábitos de pensamentos mecânicos e condicionados, que influem no organismo, criando defesas e couraças musculares onde a energia se congela, o que impede a espontânea expressão do Ser. A presença desse tipo de método, considerado integrativo, revela claramente a necessidade do homem ocidental de buscar caminhos alternativos para o tratamento de suas problemáticas psicológicas. Existe, evidentemente, uma lacuna e a falta de estudo destas temáticas no meio científico, e especificamente nas universidades. Contudo, a procura por essa terapia apresenta um índice crescente no Brasil, através da formação de cursos e treinamentos nesta abordagem em várias partes do país, comprovando a busca dos brasileiros por algo que os encaminhe simultaneamente para um equilíbrio do espiritual e do mental, uma demanda tipicamente pós-moderna.

CONCLUSÕES:

A criação desse método para Murphy, “é um pouco como montar um quebra-cabeça cujas peças provenham de todas as partes do mundo.” Por isso, concordando com o pensamento de Murphy, a Dinâmica Energética do Psiquismo tem como fundamentação teórica os pensamentos de Ken Wilber, David Bohm, Sri Aurobindo, Sai Baba, Krishnamurti e os ensinamentos provenientes das escolas Neo-Reichianas, algo que representou uma certa dificuldade de entendimento de como funcionava e como era aplicado tal método. Tal dificuldade tendo sido superada após uma investigação mais apurada das bases e técnicas utilizadas por Theda Basso e Aidda Pustilnik. Essas autoras disseminam o método em diversas áreas que tratam direta ou indiretamente do humano, como em hospitais, entre os médicos e enfermeiras, entre terapeutas ambientais na tentativa de que esses profissionais possam alcançar um auto-conhecimento do seu corpo e do seu espírito tornando-os capazes de humanizar as suas formas de agir no mundo e lidar de forma harmoniosa com os seres com os quais convivem.
Trabalho de Iniciação Científica
Palavras-chave: transpessoal; crítico - cultural; iniciática.
Anais da 57ª Reunião Anual da SBPC - Fortaleza, CE - Julho/2005

Espirito Santo

[UCEM] OUVIR O ESPÍRITO SANTO


Falar a respeito de ouvir o Espírito Santo é realmente uma metáfora, da
mesma forma que é falar Dele como sendo a Voz de Deus. O Espírito Santo se
comunica conosco através de nossas mentes, e Ele usará quaisquer meios ou
veículos que possamos aceitar.
**
Assim, poderá ser o que chamamos de intuição, imaginação, um pensamento
momentâneo ou visão interior, um sonho, a sensação de que palavras ou
pensamentos estão se aproximando, de nós que "ouvimos" e sabemos que não são
propriamente nossos. *

*Ele não se importa, Ele usará qualquer coisa que Lhe dermos. No mundo,
devido à * SEPARAÇÂO*, a mente é dividida. A mente pode estar *CERTA * ou *
ERRADA*, * SUPERIOR* ou *INFERIOR* , dependendo da voz que ela escuta. O
Espírito é a parte da mente que ainda está em contato com Deus através do
Espírito Santo, Que habita nesta parte, mas vê também a outra. A outra parte
da mente é inteiramente ilusória e só produz ilusões, sendo guiada pelo ego.
*

A MENTE CERTA* ouve o Espírito Santo, perdoa o mundo e através da visão de
Cristo vê o mundo real em seu lugar.
*A MENTE ERRADA* escuta o ego e dá origem a ilusões, percebendo o pecado e
justificando a raiva, vendo a culpa, a doença e a morte como reais. *

*Neste mundo, a única liberdade restante é a liberdade de escolha, sempre
entre duas opções ou duas vozes. A consciência é o mecanismo receptivo, que
recebe as mensagens de cima ou de baixo, do Espírito Santo ou do ego. A
consciência tem níveis e a conscientização pode se deslocar drasticamente,
mas não pode transcender o domínio da percepção. *

*Há uma distinção fundamental entre o real e o irreal, entre conhecimento e
percepção. Conhecimento é verdade, e está sob uma única lei, a Lei do Amor
de Deus. O mundo da percepção, por outro lado, é o mundo do tempo, da
mudança, dos inícios e dos fins. Ele se baseia na interpretação, não em
fatos. *

*Do conhecimento e da percepção surgem respectivamente dois sistemas de
pensamentos distintos que são opostos em todos os aspectos. Quando foste
aprisionado no mundo das percepções, foste aprisionado num sonho. *

*Não podes escapar sem ajuda, porque tudo o que os teus sentidos te mostram
testemunham a realidade do sonho. Deus fornece a Resposta, o único caminho
para a saída, o verdadeiro Ajudante, o Espírito Santo. *

*A função do Espírito Santo e ajudar-nos a escapar do mundo de sonhos e
ilusões, ensinando-nos a reverter o nosso pensamento e a desaprender nossos
erros. *

*Deus só pode comunicar-Se com o Espírito Santo na tua mente, porque só Ele
compartilha o conhecimento de que tu és um com Deus.*

*E só o Espírito Santo pode responder a Deus por ti, pois somente Ele
conhece O que Deus é. Tudo o mais que colocaste dentro de tua mente não pode
existir, pois o que não está em comunicação com a Mente de Deus nunca foi. *

*Não é por outra razão, que os iniciados já diziam há muitos anos atrás:*

*TUDO É MENTE, O UNIVERSO É MENTAL *.

Transcrito por Silvana Barbedo no grupo Ucem

A Esperança


Ao Entardecer sinto sempre saudades do Alvorecer.
No Alvorecer sinto sempre saudades do Entardecer.
O Passado e o Futuro.

Minha mente se prende as memórias.
Do que foi ou do que será.

Eu abro uma porta dentro de mim.
Passo por entre lembranças.

Caminho por dentro de estações.

Onde esta você?

Sinto a dor.
Do que não deu certo.

Do que não se realizou.
Do desencontro.

Como a dor é insuportável à transformo em versos.

E me lembro da esperança.

Sei que ela está em algum lugar.

Vou caminhando.

Quero encontrar.

Mas a esperança, já me disseram, vem do Sol.

Mas é noite.
É noite dentro de mim.

Só me resta esperar.
O Sol nascer.

Acender a chama em meu coração.
E então continuar.

Silenciar.

Algo me diz que posso continuar caminhando
mesmo dentro da noite.

Vou andando dentro de mim.

Até deparar-me com o Ser.

O Ser é como uma fonte.

Não tenho dúvidas.

Mergulho.

E então...

Nem passado, nem presente.

Me sinto na presença.

No silêncio.

Tudo acalma.

Serena.

A vida pulsa dentro.

Acorda.

Desperta.

Enfim, livre...

Cida Medeiros

Amma é a Mãe do Amor

Visualizar
"O Discipulo precisa abrir a porta para o Mestre poder entrar"

Quem é Amma?
Sri Mata Amritanandamayi Devi
Muitas pessoas perguntam como uma garotinha de uma simples aldeia indígena do Sul da India, passou a ser conhecido em todo o mundo como:

- "Amma, a Mãe de Todos.".

 Maternidade, em seu sentido último, não tem nada a ver com ter um filho, mas com amor, compaixão e altruísmo. Encontra-se totalmente em dar de si mesmo aos outros.


Se olharmos para a vida da Amma, este é o que vemos:

- alguém que ofereceu todo pensamento, palavra e ação em benefício de outros.

Dar é a essência.

Quando os sem-teto vem chorar pedindo abrigo, Amma dá-lhes uma casa, e chamamos-lhe de "humanitária".

E quando alguém vem com a tristeza, chorando, em busca de consolo emocional ela dá-lhes amor, e nós a chamamos de "mãe".

 E quando aqueles sedentos de conhecimento espiritual vem buscando sinceramente, ela dá-lhes os ensinamentos, então, chamamos-lhe de "guru".

Esta atitude de abnegação que serve toda a criação.

Amma está tentando despertar o mundo através de sua vida, ensinamentos e darshan [abraço divino].

Em 2005, a organização da Amma, a Mata Amritanandamayi Math, foi dado o status consultivo especial pelas Nações Unidas.
 
Mãe, humanitária, amiga, Guru, Deus ... as pessoas vê-la de forma diferente. Amma ofereceu-se para o mundo. Na realidade, a Amma está além de todos esses papéis, sabendo sua verdadeira natureza para ser a verdadeira natureza de todos nós, a consciência feliz divina que permeia o universo. Mas fora de sua infinita compaixão, a Amma vem para baixo ao nível de quem está diante dela, os pobres, os solitários, o candidato a fim de dar o que é desejado, o que é necessário. Foi para esse fim que a Amma nasceu e foi para isto apenas que Amma vive hoje.

Berinjela e seus benefícios





O efeito protetor da berinjela
Publicação: 09/06/2004

Um dos maiores riscos para o desenvolvimento das doenças cardiovasculares é o elevado nível de colesterol no sangue, conhecido como hipercolesterolemia.

Os mecanismos envolvidos na redução da mortalidade por doença coronária ocorrem quando há diminuição do colesterol plasmático, recuperação dos estragos das paredes das artérias causados pela placa de gordura e a estabilização do quadro. Tal situação é mais importante do que aumentar o diâmetro da artéria entupida com a placa de gordura.

Diante desses fatos é importante reduzir o colesterol plasmático e proteger as paredes das artérias para prevenir ou controlar a doença aterosclerótica, que pode ser feito com medicamentos ou com alimentos.

O suco da berinjela

O suco de berinjela ingerido duas ou três vezes ao dia tem mostrado ser efetivo em reduzir o colesterol do sangue. E mais: ajuda a diminuir o peso corporal, os triglicérides e as LDL-colesterol (mau colesterol).Tal quadro foi obtido em um estudo com animais realizado nas Faculdades de Ciências Médicas da Universidade de Campinas de São Paulo.
O suco era preparado com 100 g de berinjela e 70 ml de água batidos no liquidificador por 5 minutos. O resultado é uma bebida com 7 calorias e 0,5 g de fibras.
Depois de 15 dias recebendo esta preparação observou-se:
  1. Redução de 19% do colesterol plasmático.
  2. Dimunuição das LDL em 29%.
  3. Redução dos triglicérides em 38%.
Os pacientes hipertensos também são beneficiados com o suco de berinjela preparada com o suco de laranja e com a vantagem de reduzir o colesterol plasmático e as fração LDL.

A berinjela e o Azeite de Oliva Espanhol


A berinjela é uma planta da família das solanáceas, rica em vitaminas A, B1, B2, C e niacina.
O seu efeito em reduzir o colesterol plasmático se dá pela inibição na absorção desta substância. Acredita-se que algum componente da berinjela liga-se com os sais biliares essenciais na absorção intestinal do colesterol.

A presença da niacina, também, pode influir na redução do colesterol plasmático. Já a explicação para a redução do peso observado com o consumo do suco da berinjela é dada pelo elevado teor de fibras deste alimento.

A berinjela e o azeite de oliva

Os estudos com a berinjela ainda continuam, os especialistas na área acreditam que ela tem muito a contribuir para controlar as taxas de colesterol e a prevenir as doenças cardiovasculares. Na realidade, a berinjela representa um tratamento alternativo e de baixo custo para as hipercolesterolemias, melhorando o perfil plasmático do colesterol e do LDL.

Se a berinjela sozinha tem tanto a contribuir com a saúde coração imagine quando preparada com o azeite de oliva espanhol, um outro alimento que comprovadamente melhora o perfil lipídico do organismo. Sem falar no sabor destes dois ingredientes.

Eu adoro Berinjela, os pratos feitos com base nessa planta, são meus preferidos, porém, quero dizer que esse artigo veio para mim via e-mail. Não sei quem é seu autor, mais achei interessante deixar publicado aqui no meu blog, respeito os direitos autorais, portanto, quero agradecer quem fez essa matéria, e se houver alguma fonte na Web, por favor, é só escrever para mim, que acrescento as informações necessárias de reconhecimento da autoria.

Grata pela compreensão.

Cida Medeiros

Som da Alma




No silêncio da noite, uma música preenche o ambiente.
Nenhum som ligado.
Melodias do indefinível.
Sinto-as como campos de luz.
Vibrações.
Sons sutis

O que está além da forma.
E que no entanto informa.
Aquilo que não tem forma.

A canção convida e inspira sentimentos
Percepções
Estados de Espirito.

Há de se ter um ouvido especial.
Para se ouvir o que está alem.

Quem dentro ouve esse música?

Quem fora, as toca?

De onde ela vem?

Será o som do espirito?

O que está além da forma.
E que informa?

E com que beleza...
Freqüências de luz.
Sons do Ser.
Vida imaterial.
Assim é
A vida de quem
Está alem da forma.

Cida Medeiros

Marcas Psiquicas do Sequestro


Marcas psíquicas do sequestro
Dezembro


O trauma psíquico das vítimas de seqüestro-relâmpago e de cativeiro é o mesmo. Essa é uma das conclusões da tese de doutorado defendida em novembro pelo psiquiatra Eduardo Ferreira-Santos no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo (HC). Trata-se da primeira pesquisa brasileira a investigar a magnitude do transtorno de stress pós-traumátuco em vítimas desse delito, ainda pouco estudado do ponto de vista clínico.

"Nosso objetivo foi mostrar que o seqüestro é um crime perverso que produz distúrbios graves", diz Ferreira-Santos, coordenador do Grupo Operativo de Resgate da Integridade Psíquica (Gorip) do HC. Segundo ele, o incidente rompe mecanismos de defesa e adaptação das vítimas, o que faz aflorar pequenos traumas até então latentes, que se somam ao atual e o tornam ainda pior e muito mais complexo.

Participaram do estudo 81 pessoas, das quais metade passou por seqüestro-relâmpago e metade foi mantida em cativeiro. Depois de serem avaliadas por meio de escalas de ansiedade e de stress pós-traumático, os pacientes passaram por 15 semanas de psicoterapia de grupo ou individual, de acordo com a preferência deles, com encontros semanais. Nos casos mais graves, foram prescritos medicamentos. "Usamos a terapia breve e focal, cujo objetivo é reintegrar o aparelho psíquico", diz o psiquiatra.

As mesmas escalas, aplicadas depois do tratamento, revelaram que 80% dos pacientes estavam recuperados. Eles foram divididos em grupos, cada qual passando por um tipo de abordagem psicoterápica: cognitivo-comportamental, humanista-existencialista, psicodrama e psicodinâmica. "O próximo passo será estudar o efeito das diferentes terapias", conta Ferreira-Santos.

O trabalho conduzido no HC tem atraído juristas interessados em dados científicos referentes a um tipo de delito cada vez mais comum nas metrópoles brasileiras. Atualmente há uma discussão entre Ministério Público e Poder Legislativo acerca da possível extinção da qualificação do seqüestro como crime hediondo.