Gratuidade

Gostaria de partilhar uma coisa aprendida em uma reunião do CIT - Colégio Internacional de Terapeutas - Unipaz,  à respeito da Gratuidade.

Quer dizer...o que suponho que tenha alcançado de entendimento...

Esse é um dos princípios que norteiam a prática de quem faz parte do Colégio Internacional de Terapeutas e esta no caminho de sustentar a "Presença", a presença do Ser em ação, quem trabalha em sintonia com o Self e está além do Ego...

Além da vaidade, alem do egoismo, alem da presunção, da ganância, do orgulho, da arrogância e da prepotência do Ego, inconsciente de sua ação e por isso, servindo os instintos negativos do Eu Inferior...

... e não deixa de ser uma questão Ética.

Mas essa reflexão pode ser aplicado por qualquer pessoa do Bem, que possa estar verdadeiramente empenhada no caminho do auto-conhecimento, do crescimento interior e da reforma intima.

A frase de reflexão:

"Gratuidade é não fazer do outro um devedor."

melhor dizendo:

Gratuidade é liberar o outro de qualquer dívida em relação à sua ação, o que você deu sem cobrar... e depois por alguma razão, arrependeu-se...ou que deu dizendo que era por amor...por amizade...por um ideal, por dever, por uma causa, por que estava ai sobrando, por que tinha mais que precisava, ou qualquer outra justificativa .., algo que você deu sem estabelecer um valor real de troca...quer seja financeiro, quer seja de qualquer natureza. É dar incondicionalmente. Impessoalmente. Livremente.

Gratuidade, verdadeiramente é dar e virar-se para frente e seguir em frente...sem desejar nada de volta.

Uma lição profunda de amor e entrega incondicional.

Você consegue?

Dar e não pensar mais no assunto? No quanto foi um sacrifício? Ou qualquer outra queixa e lamentação?

Por isso, é bem melhor estabelecer uma troca do que dar algo. Pois a pessoa que recebe sem dar nada de valor em troca, sente-se num nível muito inconsciente devedor de algo, da qual, não saberá como pagar. Fica preso. Cria um emaranhado.

Você está preparado para receber na Gratuidade? Sem fazer do outro seu pai adotivo, ou mãe adotiva, uma especie de reparação para sua infância mal resolvida? Como se você tivesse dois anos de idade esperando que alguém pague suas dividas? Ou assuma no seu lugar seus erros? Ou cuide de você como se você fosse um bebe usando chupetas?

Precisamos ser justo conosco e com o outro.

Se você não se sente preparado para a "Gratuidade" é mais sincero e verdadeiro estabelecer relações de trocas justas, solidárias, responsáveis e dentro da realidade.

O que tenho aprendido com a experiência de vida, que Gratuidade pode ser muito mal interpretada...cada um tem seu próprio sistema de crença. É preciso revisar isso com muito cuidado.

O Universo é troca.

Dar generosamente é um nível de consciência que alcançamos dentro de nós e deve estar a serviço de ações  voluntarias que exerçam um bem social, um bem para comunidade, para o planeta e a natureza. Que possa estar ancorados num propósito claro e sustentado pelo Divino.  Que não alimente a preguiça, o abuso e a folga dos aproveitadores...

Cuidado!!! Muito cuidado nesse hora. Ingenuidade tem um preço!!!

Quem só quer receber sem oferecer nada em troca, pode estar na verdade sendo um sugador... egoísta, achando que o mundo lhe deve algo. Precisa crescer como individuo.

Quem só quer dar, pode estar dentro de um sentimento de menos valia, de culpa, de carência e na pior das hipóteses manipulando a fim de obter algo para seu próprio beneficio.

A verdadeira entrega é estar a serviço, aceitando a realidade como ela é. A vida para se manter tem um custo?

Quem vai pagar essa conta?

Muito cuidado nesse hora!!!!

E bom refletir sobre a questão da "Gratuidade".

Cida Medeiros

2 comentários:

  1. Anônimo9:05 AM

    Muito verdadeiro, difícil é a palavra que me vem no momento, mas muito necessária a reflexão.
    Abraços
    Eveline

    ResponderExcluir
  2. É um grande aprendizado, mais não fazer o outro de devedor é a suprema sabedoria do ser em ação!
    Grata pela partilha!

    ResponderExcluir

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.