A Travessia


A Terapia Sistêmica Fenomenológica leva o individuo a ver as coisas como elas são.

O primeiro passo para a cura é a aceitação da realidade como ela é.

Do que emerge.

Observando, reconhecendo, dialogando e seguindo em frente.

O Terapeuta procura levar o "outro" a fonte.

 Despertar no "outro" a Presença.

O Essencial.

Por isso, o Terapeuta precisa saber sintonizar-se com sua própria fonte interior.

Saber beber dessas águas. 

Purificar-se das impregnações das emanações negativas.

Estar em sintonia com o Ser, com a Presença.

Assim, poderá despertar no outro, se ele estiver preparado, a vastidão dos universos internos.

Com a Presença e o Ser, podemos trilhar os caminhos internos, enfrentando as imagens, as
memórias,  as forças arquetípicas, sentimentos e estados de caos interno.

Como alguém que caminha do lado, com uma lanterna acesa.

Em posse de si mesmo, com a percepção do caminho e com a clareza de intensão.

Na mais plena igualdade humana.

Depois que chegamos na fonte, nos entregamos a ela.

Podemos então beber das águas puras e cristalinas.

Beber da lucidez!

Revigorar-se.

E entregar-se ao fluxo.

Pois é manancial de infinitas possibilidades...

 e suas águas 

são fonte de sabedoria perene.

Portanto,

É essencial que se ultrapasse o tempo interno ruim.

Para isso,

Voltar para dentro,

Não julgar, não condenar, não interferi, apenas observar como é.

E seguir lado a lado.

O trabalho de constelações familiares acolhe o que se passa na "alma".  

A alma individual está imersa na "Alma familiar".

 A alma normalmente está conectada com muitas outras almas tribais, isto é, memórias que de alguma forma estão carregadas de informação a respeito de um cultura, de uma sociedade ou de um grupo social que "aparentemente" não tem nada haver com que o individuo está vivendo no momento presente, ou até mesmo, com o proposito evolutivo dessa vida.

A entidade humana está influenciado por memórias, por uma "alma tribal", por contextos trans-geracionais.

A Jornada de Cura é a oportunidade de trazer à tona esses aspectos que estão inconscientes e influenciando de modo negativo a vida da pessoa.

A Grande Alma, segundo Bert Hellinger é o lugar que nos libertamos.

Onde os inimigos se reconciliam.

Os ódios são pacificados.

As injustiças liberadas.

E quando todos descansam em paz, sentimos alivio, nos conectamos internamente com nosso potencial evolutivo e podemos seguir adiante com a vida que nos resta.

A Grande Alma, também é a Fonte.

Cida Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.