Tempo Sagrado





O Tempo Sagrado só pode ser construído
Com as antigas Comunhões,
As que são faladas,
E as que são vividas,
Pois se elas forem ditas apenas com a boca,
Serão como a colmeia morta
Que as abelhas abandonaram,
Que já não dá mel.
As Comunhões são uma ponte
Entre o homem e os anjos,
E, como a ponte,
Só podem ser construídas com paciência,
Sim, como a ponte por cima do rio
É formada pedra por pedra,
À medida que vão sendo encontradas à beira d'água.

E as Comunhões são catorze,
como os Anjos do Pai Celestial
São sete,
E os anjos da Mãe Terrena
são sete,
E assim como as raízes da árvore
Afundam na terra e se alimentam,
E os galhos da árvore
Erguem os braços para o céu
Assim o homem é como o tronco da árvore,
Com as raízes no fundo
Do seio da Mãe Terrena,
Enquanto sua alma sobe
Para as estrelas brilhantes do Pai Celestial,
E esta é a sagrada Árvore da Vida
Que se ergue no mar da eternidade

A primeira Comunhão é com
O Anjo do Sol,
O que vem todas as manhãs
Como a noiva sai de sua câmara,
Para derramar sua luz de ouro no mundo.
Ó tu, imortal, cintilante montado em seu corcel velocíssimo,
Anjo do Sol!
Não há calor sem ti,
Não fogo sem ti,
Não há vida sem ti.
As folhas verdes das árvores
Adoram-te,
E por teu intermédio a minúscula semente de trigo
Torna-se um rio de selva dourada,
A manter-se com o vento.
Por teu intermédio abriu-se a flor
No centro do meu corpo.
Por essa razão nunca me esconderei
De ti. Anjo do Sol,
Santo mensageiro da Mãe Terrena,
Entra no templo sagrado dentro de mim
E dá-me o Fogo da Vida!

Fonte: O Livro Essênio de Moisés em o Evangelho essênio da Paz
Edmond Bordeaux - Ed. Pensamento

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.