E a Paz? Como se faz?


Caro leitor, é impressionante como essa semana recebi inúmeros relatos de clientes, amigos, conhecidos e familiares, queixando-se de desarmonias em sua família.



Brigas, desentendimento, mentiras, violências e toda a sorte de acontecimentos que vão contra os valores pregados nessa época.

Pessoas inundadas de sofrimento por conta de quererem a paz entre os seus, mais verem aflorar sentimentos hostis de violência e ódio.

Que contradição, não?

Choram e se lamentam por verem o sentimento de união, irmandade e solidariedade fugir como pássaro assustado por entre os vãos das paredes, à perder de vista...

A pomba, símbolo da paz, precisou alçar voo, para não ser atingida pela panela voadora da violência familiar.

Eu fico feliz se você segue lendo esse escrito, pois significa que existe algum nível de abertura em seu coração e isso, por si só, já é uma bênção. 

Primeiro porque existem inúmera pessoas que não sabem sequer ler. 

Outras que lêem mais não tem capacidade de entender nada... além da fofoca ou do titi dos últimos acontecimentos e entendem tudo segundo a visão distorcidas de seus egos.

Outros, que estão absolutamente tomados pela cegueira do fanatismo.

Muitos acorrentados pelo vicio.

E outros fatores, que você deve conhecer e ter a alguma opinião à respeito.

Nesse época do Natal, tudo convida, a todo tipo de ilusão.

Agora, falando de Cultura da Paz e Não Violência...

Enquanto ficarmos esperando que o outro dê o primeiro passo para a solução de um conflito, estaremos agarrados numa emocionalidade sem fim e sem propósito.

Alimentando a Neurose e tendo como maior desafio, o Arquétipo do Mártir ou então, da Vitima.

Quer dizer, ou eu "Salvo' ou eu "Sofro". Mais de qualquer forma, sou dono da "Verdade"...

Ser dono de algum tipo de Verdade é outro desafio para o entendimento.

Querer que sua Verdade prevaleça é a ruína total de uma comunicação saudável.

Difícil assim...

Mandatos internos, carregados de crenças, ações automáticas, pouca auto-reflexão é o caminho certo para a "trombada" de egos inflados, cegos e cheios de ilusão.

O que fazer?  Ouvir com amor.

Todos nós temos o dever de aprender a Comunicação Não Violenta, saber sobre os princípios da Carta da Terra, sobre os valores da Cidadania e Direitos Humanos para colaborar efetivamente.

Depois a espera para ver o que move dentro e reverbera fora.

Se você não agir, não der um passo em direção a seu auto-respeito, ao seu amor próprio e a ação solidária em busca de uma nova educação, sinto muito...

Eu sinto muito, sou apenas um instrumento, tentando afiar uma corda para que o som possa sair melhor de dentro de cada um, mais milagre quem faz é Deus, o Divino, como queira chamar... E mesmo o milagre para agir, a pessoa precisa ter Fé.


Isto é: Faça alguma coisa!!!!!!!!!!!!!!!!!

Saia do comodismo! Da mesmice! Da Reclamação! Da Intolerância! Da Cobrança!
Pare de cobrar do outro, aquilo que você não é capaz de realizar por você!!!!!

Acorde!

Ou então durma...

Mais vamos ver um pouco mais amplo...Alçar voo...o voo da Águia!

Que possa ser você, também, um agente da Paz!

A Tolerância, solidariedade e a clareza em compartilhar com pessoas no dia a dia com a consciência de respeitar os direitos individuais e a liberdade de opinião são ações colaborativas para Construção de uma Cultura da Paz.

As atitudes internas que já são impregnadas de novos valores podem conduzir a sustentação de novos paradigmas que possibilitam o ser a uma reflexão profunda sobre seu comportamento.

Quando ferimos preceitos éticos, quando exigimos do outro qualquer ação que desrespeita o seu querer interno em nome de uma imagem de perfeição social, criamos conflitos e violamos o direito do outro.

Bert Hellinger fala muito sobre as ordens do Amor, como principios que norteiam uma conduta saudável e respeitosa.

O sofrimento quase sempre está por detrás dessa atitude de querer que o outro realize a nossa imagem de perfeição. 

Normalmente essa ação colabora para que a guerra se faça.

Para se resolver conflitos entre pessoas é necessário uma maturidade interior e uma intenção muito verdadeira de ouvir o outro a partir do referencial de entendimento que aquela pessoa  possui.

Sempre refletindo à fim de incluir contextos mais amplos, que tenham como base a cidadania planetária, a Carta da Terra, os Direitos Humanos, o Direito restaurativo e fundamentalmente o meio ambiente e que possam gerar novas condutas de comportamento. 

Ouvir a fim de compreender. Educar à fim de Evoluir.

Muitas vezes é necessário um Mediador, para que a solução possa se dar, quando os ânimos estão muito exaltados e as pessoas perderam o foco.

Prevenir é melhor que remediar. A Não-violência é possível a partir de uma escuta respeitosa e uma renuncia de querer se manter sempre com a razão.

Assim, evitamos o drama da exclusão, a pobreza dos relacionamentos e a atrofia dos valores humanos.

A cultura de paz é um tema fundamental, pois assim, criamos uma nova cidadania, baseado em novos valores, onde a resolução de problemas se dá por meio do diálogo, da negociação e da mediação, de forma a tornar a guerra e a violência inviáveis.

2011 acena com a urgência da re-educação e a educação com os princípios da Cultura da Paz. 

Boa Reflexão!

Cida Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.