Dez Principios do CIT

Como faço parte do Colégio Internacional de Terapeutas, como Aspirante, achei interessante colocar os princípios fundamentais que norteiam os Terapeutas que seguem esse caminho, inspirados nos ensinamentos de Yves Leloup e Roberto Crema. O Colégio está ligado a UNIPAZ.

O CIT foi inspirado por Yves Leloup, fundado em Brasilia, em 08.09.92, na UNIPAZ, entidade internacional reconhecida pela UNESCO, criada pelo Pierre Weil. O CIT complementa a UNIPAZ.

Ser um terapeuta em sintonia com os princípios do CIT, significa estar numa constante observação de sí mesmo, um cuidado amoroso para consigo mesmo e para com o outro, cuidar do Ser, acolher o Ser, respirar o Ser, cultivar a Presença, desenvolver uma ética profunda do Ser, incluir a  gratuidade como um serviço silencioso, meditar, silenciar, buscar um olhar mais globalizado, humanista,  sustentável, rever valores, mais sobretudo acolher com amor, refletir, repensar, agir com o coração em sintonia com o discernimento e estar à serviço. A serviço do Ser.

É um caminho de crescimento. De ir apropriando-se cada vez mais desses ensinamentos, incorporando-os, sentindo-os, tendo a real intenção de estar sustentando esse Campo de Qualidade de Ser, de estar em sintonia, em sinergia, numa busca de crescimento e evolução.

Segue os principios que compartilho aqui com vocês:


1. Antropologia
Reconhecer, respeitar e cuidar do ser humano em sua inteireza física, psíquica e espiritual (soma - psique - nous e pneuma). Esta antropologia é igualmente uma cosmologia, pois não percebe o homem como algo separado do Universo, de onde a importância do cuidado ao meio ambiente, sendo ainda uma ontologia, pois não distingue o homem separado de uma Origem que freqüentemente lhe escapa, e que ele, freqüentemente, redescobre.
2. Ética
Adotar uma postura de simplicidade e beleza (moradia, alimentação e vestuário...), desapegando-se, o máximo possível, de problemas ligados à acumulação de bens, de favorecimentos e de poderes, que possam afastá-lo do Ser. Prima por uma ética da benção e do respeito à inteireza, jamais reduzindo o ser humano a um rótulo, também cuidando, nele, daquilo que não é doente, a partir do qual uma dinâmica de cura é ativada: 

Cuidar do Ser em si mesmo - acolhê-lo, contemplá-lo, respirá-lo, encarná-lo e comunicá-lo.
     Cuidar do Ser nos outros - acolhê-lo, respeitá-lo e escutá-lo. E ainda, se for o caso, orientá-lo, curá-lo e abri-lo.


3. Silêncio

Viver, se possível, diariamente, um determinado tempo de silêncio, de aproximadamente 1 hora, de acordo com as práticas próprias a cada terapeuta, visando a centralidade e abertura à transcendência.

4. Estudo

Viver, se possível, diariamente por cerca de 1 hora, um tempo dedicado ao estudo de textos, documentos, "informações e escritos necessários à formação e ao fortalecimento do terapeuta, visando uma permanente atualização.

5. Gratuidade

Dedicar, se possível a cada dia, um tempo de cuidado gratuito e de disponibilidade, segundo a competência específica do terapeuta, para o exercício da solidariedade, do serviço desapegado ao outro, à sociedade, ao universo.

6. Reciclagem

Dedicar, durante o ano, uma semana de silêncio e uma semana de estudos, para "recentrar" e aprofundar seus pressupostos antropológicos; um compromisso de vivenciar um tempo-espaço de recolhimento para uma revisão, reflexiva e meditativa, do processo de individuação.

7. Reconhecimento

Colocar-se sob a orientação atenta e benevolente de um terapeuta-acompanhante, que revalidará, a cada ano, a sua participação no Colégio dos Terapeutas, reconhecendo a sua fidelidade a seus próprios engajamentos, isto é, às "dez orientações maiores". O reconhecimento da necessidade de ser acompanhado por uma escuta terapêutica evita o risco da inflação egóica de julgar-se pronto, que  estanca o processo contínuo de aprendizagem e aperfeiçoamento.

8. Anamnese

Registrar, se possível diariamente ou semanalmente, as anotações relativas a sonhos, imagens ou acontecimentos significantes, que evidenciem, na vida cotidiana do terapeuta, a presença numinosa do Ser. Um registro de uso exclusivo do próprio terapeuta.

9. Despertar a Presença

Viver, um minuto a cada hora, se possível, a lembrança "do meu ser para o Ser que o informa, de meu sopro para o Sopro que o Inspira". Este momento de "lembrança" pode ser vivido através de uma invocação, uma respiração ou, simplesmente, uma atenção sensorial ou afetiva da Presença do Ser no corpo que somos.

10. Fraternidade

Os Terapeutas, dispersos pelo mundo, formam uma rede fraterna. A hospitalidade recíproca é uma felicidade que lhes pertence. Sentindo este engajamento em comum, eles poderão partilhar, com prazer, o seu tempo de estudo e de silêncio meditativo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.