PROUT ou Teoria de Utilização Progressiva

Prabhat Rainjan Sarkar (1921-1990)

O primeiro contato com essa teoria sócio-econômica foi em uma palestra na Umapaz, vale a pena interar-se dessa matéria. Cida Medeiros


PROUT - Progressive Utilization Theory 

Teoria da Utilização Progressiva

Um novo mundo é possível?

É uma teoria sócio-econômica desenvolvida em 1959 pelo filósofo indiano Prabhat Rainjan Sarkar (1921-1990). PROUT é uma filosofia que sintetiza as dimensões físicas, mentais e espirituais da natureza humana. E descreve uma alternativa aos paradigmas sócio-econômicos do capitalismo e comunismo.

PROUT é uma proposta alternativa para os modelos sócios - econômicos decadentes do capitalismo e do comunismo. Nenhum destes sistemas conseguiu promover o desenvolvimento físico, mental e espiritual da humanidade. PROUT procura o equilíbrio entre crescimento econômico, desenvolvimento social e preservação do meio ambiente, considerando tanto os interesses individuais como coletivo.
Combinando sabedoria espiritual, visão universalista e esforço pela emancipação econômica de populações pobres, os proutistas (seguidores de PROUT) sedimentam uma nova proposta social e plantam as sementes de uma nova forma de viver.

SOBRE O CRIADOR DA TEORIA: Shrii Prabhat Ranjan Sarkar (1921-1990), filósofo, reformador social, humanista e mestre espiritual. Através das suas ações, Sarkar inspirou milhares de pessoas a desenvolverem ao máximo todos os seus potenciais, e assumirem responsabilidade pelo bem estar da humanidade e de toda a criação. Provavelmente passarão décadas, ou mesmo séculos, até que a humanidade consiga compreender a sua vasta e incomparável contribuição para o mundo.

BIOGRAFIA

Desde a sua tenra infância em Bihar, na Índia, onde nasceu em 1921, Prabhat Ranjan Sarkar atraiu pessoas por meio do seu profundo amor pela humanidade guiando-as ao longo do caminho da auto-realização. Ajustando a antiga ciência do Tantra Yoga, no sentido de atender às necessidade da época atual, Sarkar desenvolveu uma filosofia espiritual racional e científica juntamente com um sistema de disciplinas práticas visando o desenvolvimento humano - físico, mental e espiritual. Sendo reconhecido como um reaMestre espiritualmente lizado, foi chamado de "Shrii Shrii Ánandamúrti" que significa "Aquele que atrai outros como a personificação da Bem-Aventurança", ou simplesmente por "Baba" ("amado").
As pessoas que seguiram os seus ensinamentos viram as suas vidas transformadas, na medida em que superaram as fraquezas e as tendências negativas da mente, vivenciando uma profunda paz e bem-aventurança internas. Inspiradas pelo seu exemplo altruísta, direcionaram as suas energias para servir a sociedade e ajudar os oprimidos.
Em 1955, enquanto ainda levava uma vida familiar normal, e profissionalmente a trabalhar como supervisor da Rede Ferroviária da Índia, P.R. Sarkar formou a organização Ánanda Márga ("O Caminho da Bem-Aventurança") começando a treinar monges missionário(a)s para propagar os seus ensinamentos de "auto-realização e serviço à humanidade" por toda a Índia, e mais tarde, por todo o mundo. Refletindo a amplitude da sua visão universal, a sua missão tornou-se uma organização multifacetada com diferentes ramos dedicados à elevação da humanidade através da educação, auxílio a calamidades, bem estar social, artes, ecologia, renascimento intelectual, emancipação feminina e economia humanista.
Visando o bem estar colectivo da sociedade como um todo, propôs a Teoria de Utilização Progressiva - PROUT, que defende a máxima utilização e a distribuição racional de todos os recursos e potencialidades do mundo - sejam físicos, mentais e espirituais - assim como a criação de uma nova e humanista ordem social de harmonia e justiça para todos. 
O seu inflexível posicionamento moral contra a corrupção e exploração, assim como a sua exigência por justiça social, atraiu a oposição de certos interesses escusos do Partido Comunista da Índia, resultando na sua perseguição e aprisionamento, em 1971, com falsas acusações. Durante o seu encarceramento, de 7 anos, sobreviveu a um atentado por envenenamento perpetrado pelas autoridades penitenciárias e jejuou por cinco anos e meio em protesto. Por fim, absolvido de todas as acusações pelo Tribunal Supremo, foi libertado em 1978.
Até à sua partida, em 1990, guiou a rápida expansão da sua missão por todo o mundo.
 A Economia como se todos os seres vivos fossem importantes (Parte 1)
Escrito em Agosto 13th, 2006 por admin
O economista Britânico, E.F. Schumacher, referiu a necessidade de uma nova ciência econômica, "uma economia como se as pessoas fossem importantes". Ao fazê-lo, ele evidenciou o falhanço primordial do presente sistema econômico  a falta de preocupação humanista pelo bem estar das pessoas e dos outros seres.
Ele advoga que o monopólio capitalista e o estado socialista reclamam que o seu respectivo sistema econômico é o caminho para a prosperidade universal. Muita propaganda sofisticada tem sido lançada para apoiar tais proclamações. Mas a dura realidade da vida das pessoas comuns revela as mentiras contidas na propaganda. Alienação dos trabalhadores, grandes disparidades econômicas  pobreza disseminada  destruição ambiental, a erosão dos valores morais e espirituais, entre outros efeitos negativos do capitalismo e do comunismo evidenciam que estes não são sistemas econômicos que possam servir a humanidade no seu todo. Eles podem beneficiar uma pequena elite, mas para o resto da humanidade, a exploração económica e a miséria psíquica são as consequências inevitáveis.

De facto, o bem estar de toda a biosfera é ameaçado pela ganância destes exploradores. Através de propaganda talentosa e com o acenar de alguns bens materiais, eles podem induzir nas massas a aceitação do status-quo por mais algum tempo, contudo a crescente insatisfação das pessoas eventualmente levará à busca de um novo e melhor sistema econômico  Quando a próxima depressão nos atingir, esta insatisfação crescerá como um fogo indomável.

Novos valores econômicos ganham popularidade: descentralização, propriedade dos recursos, propriedade cooperativa dos negócios, democracia econômica e tecnologia apropriada ao meio ambiente. Estes conceitos não são compatíveis nem com as economias capitalista nem comunista. Estas abordagens são igualmente inaceitáveis para o Presidente do Concelho de Administração do Citibank, como para o Comissário Chinês da Indústria. Esta ideias novas  não maximizam os lucros das empresas nem consolidam a flor do estado centralista. Mas certamente reflectem o espiríto humanista. Elas nasceram de uma preocupação de prosperidade para toda a humanidade, indiciando uma emergência da "economia como se todos os seres vivos fossem importantes".

P.R. Sarkar, na sua Teoria da Utilização Progressiva (PROUT), partilha do sentimento de Schumacher. Sarkar afirma que, " como qualquer outro problema, os problemas econômicos têm apenas uma solução: amor genuíno pela humanidade." A filosofia social apresentada por Sarkar apresenta uma preocupação, com compaixão, pelo bem estar universal. O sentimento universalista está enraizado numa visão espiritual da vida. A espiritualidade apresentada por Sarkar não é um misticismo que permanece afastado da pressão dos problemas que a humanidade enfrenta. Em vez disso, ele reconhece que a obtenção de conhecimento espiritual poderá ser melhor alcançado numa sociedade livre de qualquer forma de exploração ou opressão.

Herança Cósmica

O ponto fundamental para a compreensão da economia de Prout assenta no princípio de herança cósmica. Este evidencia que todos os recursos do universo foram criados para o benefício de todos os seres, e o acesso a estes recursos é um direito básico de todos.
Os seres humanos não criaram a luz solar que nos fornece energia útil, a vegetação que nos alimenta, nem os minerais que são transformados em ferramentas ou materiais de construção. No máximo, trabalhamos para extrair, processar e transformar as matérias primas em itens úteis para o nosso bem estar. Como não somos os criadores originais dos recursos que usamos, não podemos reclamar a propriedade pessoal desta riqueza. A propriedade última só pode pertencer às forças cósmicas criadoras. Esta compreensão conduz-nos ao reconhecimento de que cada pessoa tem direito à sua quota parte dos recursos, mas teremos de utilizar a nossa herança comum com espirito cooperativo.

 Economia de Bem Estar Colectivo

Prout define riqueza como sendo aquilo que tem utilidade em satisfazer as necessidades humanas – quer ao nível físico, psíquico ou espiritual. A finalidade apropriada da riqueza reside no seu valor prático para sustentar a existência humana. A satisfação das necessidades humanas é a força motora do sistema econômico baseado na teoria económica de Prout. Podemos, então, designar de economia de bem estar colectivo.
Consistente com o princípio da Herança Cósmica, Prout vê as pessoas como admnistradoras – não proprietárias – dos recursos. Defende-se que as terras de cultivo devem ser geridas cooperativamente por aqueles que cultivam o solo, que as fábricas estejam debaixo do controlo colectivo daqueles que operam a maquinaria de produção. Isto é, as empresas econômicas devem ser controladas democraticamente pelas pessoas que trabalham nelas.

Garantia das Necessidades Mínimas de Vida

Uma comunidade harmoniosa nunca poderá ser implementada enquanto as pessoas sofrerem para conseguir satisfazer as suas necessidades mínimas, para sustentar uma vida digna. A falta de alimentos, habitação e de outras necessidade conduz aqueles que são pobres a tomarem medidas desesperadas para a sua própria sobrevivência. Além disso, para a humanidade reconhecer a sua unidade espiritual, as pessoas devem lutar pela  elevação da sua própria consciência, mas aqueles que vivem apenas preocupados com a sua sobrevivência, simplesmente não podem dispender tempo para o seu crescimento espiritual. Assim, a justiça económica é um pré requisito para que o sentimento de benevolência humana se possa tornar numa realidade universal, no mundo objectivo (no nosso exterior).

Para criarmos  uma economia de bem estar colectivo, o primeiro princípio a aplicar é a garantia das necessidades básicas para todos. Cada pessoa deve ter à sua disposição alimentos, vestuário, cuidados médicos, educação e outros bens e serviços fundamentais, necessários ao seu desenvolvimento integral.

Prout não apela apenas à garantia das necessidades básicas, mas também insiste em que a sociedade deve aumentar a oferta de bens e serviços em quantidade e qualidade ao longo do tempo. Por exemplo, a garantia da educação ao nível do secundário pode ser apropriada para a nossa era, mas no futuro, a oportunidade de estudo por um período mais longo, deverá abranger um maior número cada vez maior de pessoas. De igual modo os padrões de habitação, nutrição, medicamentos, transporte e vestuário terão de avançar de forma progressiva.

No próximo artigo apresentaremos as quatro condições básicas para que a sociedade esteja em posição de garantir os requisitos mínimos a todos.

Dada Maheshvarananda

Instituto de Pesquisa de PROUT da Venezuela
www.priven.org.br
www.proutaftercapitalism.blogspot.com

Eu dei uma palestra no encontro de abertura do Fórum Social de Lower Hudson Valley em 28 de março de 2009, na escola secundária de White Plains, perto de Nova Iorque. Foi um momento mágico com a organizadora Nada Khader, diretora executiva da Fundação WESPAC, a força motriz em Westchester County para a paz e a justiça no trabalho por mais de três décadas. As 2 primeiras palestrantes foram Freida Jacques, da Nação Onondaga, e Monica Walker, secretária de diversidade das escolas do condado de Guilford, Carolina do Norte, e treinadora-chave com o Instituto para a Sobrevivência do Povo [The People's Institute for Survival and Beyond].
Esta última falou sobre o racismo institucionalizado.
Segue a transcrição da minha palestra:Eu cresci neste país, e quando fui para a faculdade, eu tinha um poster na minha parede. Che Guevara, o grande revolucionário, declarou: "Correndo o risco de parecer ridículo, deixem-me dizer que o verdadeiro revolucionário é guiado por sentimentos de amor."

Eu pensei, isso é o que eu quero ser.. Um revolucionário guiado pelo amor.

Há trinta e cinco anos atrás eu aprendi yoga e meditação como um hobby. Você sabe, para reduzir o stress. Isso transformou a minha vida. Eu não imaginava que podia sentir tanta força e tanta energia, tanta paixão, tanta compaixão. Aquilo me inspirou a dedicar minha vida para a humanidade, e é isso que esta cor laranja que eu visto significa, que a minha vida é dedicada à humanidade. Muitas pessoas confundem-me com o meu irmão gêmeo do Congo, Dada Gunamaya, que também é um monge, e também é dedicado à humanidade. Vocês perceberão a semelhança. [risos]
Nós tentamos ensinar revolução. Vivemos em uma época muito interessante atualmente. Há aproximadamente um ano atrás teve início um colapso econômico, que não parou. A cada dois meses, mais de um milhão de norte-americanos perdem os seus empregos. Trilhões e trilhões de dólares de "riqueza" estão desaparecendo a cada dia. As instituições financeiras que são "grandes demais para falir" estão subitamente pedindo ao governo para salvá-las. Mas o governo não está salvando pequenos empresários, ou pequenos agricultores ou pequenos proprietários, ele está salvando os grandes bancos.

A parte mais chata das notícias da mídia sempre foram as notícias sobre economia. Eles gostam que seja assim. Eles não querem que você se preocupe com a economia, eles usam uma linguagem esotérica de forma que você não possa compreender o que está acontecendo. Mas isso afeta cada um de nós todos os dias.

Então, eles dizem, dê-nos uma pequena ajuda e as coisas voltarão ao normal. Nós dizemos não. Não estamos interessados na economia de sempre. Não estamos interessados na opressão de sempre, ou na exploração de sempre, na repressão de sempre. Não, obrigado. Queremos uma transformação fundamental do nosso mundo, o que é normalmente chamado de revolução.

Que tipo de mundo queremos? Eu estava no Brasil para a primeira, a segunda e a terceira [edições do] Fórum Social Mundial. Uma experiência fenomenal. Vinte mil pessoas na primeira vez, setenta mil pessoas na segunda, mais de cem mil na 3a , 4a, 5a e 6a vezes. Eu estava em Caracas no 6o Fórum [Social Mundial], e tenho estado em fóruns sociais na Finlândia, no Reino Unido e em todo o mundo. E todos eles têm o mesmo tema: "outro mundo é possível". Bem, esse sonho compartilhado, de que podemos ter um mundo melhor do que o que temos hoje, que podemos dar um mundo melhor para nossos filhos do que esta terrível bagunça que temos hoje, nos leva também a uma pergunta. - Que tipo de mundo queremos criar?



Você tem o direito de nos fazer perguntas e eu também tenho o direito de lhes perguntar. Então, que tipo de mundo você quer? Posso ouvir algumas respostas, por favor?

RESPOSTASSem toxinas...
Livre de conflitos...
Com igualdade...
Pacífico.

Comunidades...
Partilha de culturas...
Tolerância...
Que os direitos humanos sejam garantidos...
Múltipla distribuição da riqueza,riqueza para todos ...
Sem exploração,escravidão,racismo,sexismo ...
Onde os empregos não são terceirizados, onde todos que queiram um trabalho o encontrem,um direito humano básico ...
Onde você possa votar quem será o seu patrão, escolher o seu patrão ou ser seu próprio patrão ...
Necessidades humanas  básicas ...
Tolerância e respeito ...
Habitação para todos ...
Parar com o ensino de  ódio,ensinar o amor a todos.

O tempo terminou, desculpem.
Eu dou palestras como esta nos seis continentes. As respostas na Polônia, Filipinas, Índia e China são sempre as mesmas.

As pessoas querem um mundo sem injustiça, pobreza, fome, um mundo compartilhado, com um ambiente protegido para todos. Este é um direito humano básico. É uma coisa simples, já que temos a tecnologia.
Você sabe, dar a todos habitação, educação, alimentação, vestuário e cuidados médicos a quem não tem, seria realmente muito caro. Iria custar cerca de 15 por cento do orçamento anual para armas e militares no mundo. [risos] Não é por falta de tecnologia que não podemos dar a todos uma habitação, um lugar para dormir à noite. Nós podemos fazer isso. O direito básico fundamental, que todos precisam é alimentação, vestuário, abrigo, educação e cuidados médicos.
 
Então, como seria uma economia local, ao invés de uma economia global ? Em vez da terceirização de tudo, você faz cooperativas. As cooperativas são cooperativamente possuídas. Faça cada região ser tão auto-suficiente quanto possível.

Prout são as iniciais de Progressive Utilization Theory [Teoria da Utilização Progressiva]. É um modelo. Seus princípios podem ser aplicados holisticamente por qualquer pessoa que goste deles. Não é algo a ser imposto a ninguém. Mas nós precisamos desesperadamente de alternativas. Noam Chomsky escreveu o prefácio do meu livro, "Após o capitalismo", e ele disse que "O modelo cooperativo de Prout, compartilhando os recursos do planeta para o bem-estar de todos, merece nossa séria consideração." Eu acho que da creche à pós-graduação, nas escolas em todos os níveis, as crianças deveriam ser perguntadas, "Que tipo de mundo você quer?" É uma pergunta fundamental, perguntar que mundo temos e que mundo queremos ter.

Eu também ensino yoga e meditação, pois penso que através da meditação, a paz de espírito, o silêncio podem ser atingidos. A meditação está presente em todas as culturas do mundo, não custa nada tentar. Você pode encontrar essa força interior, essa paz interior, você pode encontrar a base espiritual que é fundamental para todos nós aqui. Nós somos uma família humana. Todos são irmãos e irmãs aqui. Temos que salvar as plantas e animais, que também são nossos irmãos e irmãs neste planeta. E nós temos de construir um mundo melhor. Podemos fazê-lo, é absolutamente necessário.

Um pequeno exemplo, em Illinois. Chuck Paprocki tem três hectares de terra e está provendo frutas e hortaliças para 100 famílias. Ele faz parte de um grupo de trabalho criado há um ano para tentar ajudar fazendas familiares. Mas durante o ano passado, de repente essa força tarefa, "Alimentos Locais, Fazendas e Emprego" (www.foodfarmsjobs.org), criou um relatório que foi publicado há três semanas. Afirma que, no estado de Illinois, US$ 45 bilhões são gastos em alimentos anualmente, e 98 por cento dessa quantia é gasta comprando-se alimentos de fora do estado. Ecologicamente isso é um desastre, o alimento viajar 1500 milhas, em média, para chegar ao seu prato. Eles disseram que, se destinássemos apenas 20 por cento de todos os alimentos que as nossas escolas e hospitais servem todos os dias para os alimentos produzidos localmente, isso iria criar milhares de empregos no estado, manteria o dinheiro no estado, traria uma alimentação muito mais saudável e nutritiva para todos. Acho que todos os estados deveriam seguir esse exemplo, e agora é fazer essa legislação existir, para que democratas e republicanos possam aprová-la. Acho que todos deveriam seguir o exemplo da família Obama: plantar uma horta orgânica em seu quintal ou no seu telhado ou na beirada da sua janela. Todo mundo deveria fazer isso. Que exemplo maravilhoso!
E nós podemos viver de uma forma mais holística, de uma maneira melhor e mais saudável, criando na prática uma verdadeira sociedade humana pela primeira vez na história. Que incrível, que belo mundo seria.

Gostaria de concluir dizendo que um ensinamento de yoga e meditação é que cada um de vocês tem um potencial de desenvolvimento físico, mental e espiritual muito maior do que você poderia imaginar. Torne-se esse potencial. Torne-se esse pioneiro. Vamos trabalhar juntos, hoje e para o resto de nossas vidas, para construir um mundo melhor. Para fazer um mundo para nossos filhos, para a humanidade, para todos.

OS  PILARES DA PROUT

Os seres humanos estão numa jornada que se inicia na animalidade e termina no Estado Divino. O verdadeiro progresso consiste no movimento dirigido para a realização espiritual. As conquistas materiais ou intelectuais não constituem necessariamente progresso a menos que elas contribuam para a realização desse bem-estar mais profundo. O desenvolvimento progressista da sociedade ocorrerá somente através de um contínuo ajuste na utilização dos recursos físicos e das potencialidades mentais, respeitando-se os valores espirituais e neo-humanistas. Para nosso engrandecimento, devemos constituir instituições económicas e sociais que promovam a realização das nossas potencialidades mais sublimes.

1.Visão Neo-humanista

O neo-humanismo é um sentimento expansivo, universalista e fraternal que liberta o ser humano das tendências egoístas de se agrupar e criar divisões sociais sob diferentes aspectos (nacionalismo, grupos sociais, racismo, fundamentalismo religioso etc.) e leva-o a abrir a mente para aceitar todos, inclusive animais, plantas e reino mineral, como membros de uma mesma família universal, constituída por um Pai Cósmico único. O neo-humanismo é uma filosofia orientada para o equilíbrio ecológico e para a fraternidade universal.

2.Democracia Económica

PROUT defende a democracia económica baseada em planeamento económico descentralizado; empreendimento cooperativo; exploração dos recursos naturais e desenvolvimento de indústrias estratégicas pelo governo local; e limitação da riqueza individual, visando ao bem-estar social. Apenas quando houver a descentralização económica e as populações locais puderem interferir nos rumos da economia local é que haverá a disponibilidade de alimento, moradia, vestuario, assistência médica e educação para todos. Esta é também a única maneira de assegurar que os sistemas ecológicos da Terra não sejam explorados em limites superiores à sua capacidade de renovação. O equilíbrio ecológico é fundamental para garantir a sobrevivência e o bem-estar das populações que dependem desses sistemas.

3.Garantir as Necessidades Básicas a Todos

No actual estágio da evolução humana, as necessidades básicas da vida devem ser garantidas a todos como um direito fundamental. As pessoas não poderão desenvolver seu potencial humano mais elevado enquanto não tiverem garantidos alimento, moradia, vestuário, assistência médica e educação. A política económica deverá incentivar o sistema cooperativo, com o intuito de estabelecer o pleno emprego; e o valor do salário mínimo deverá permitir a aquisição dos requisitos básicos. O padrão das necessidades básicas evoluirá de acordo com a capacidade produtiva da economia.

 

4.Liderança

Para implantar uma sociedade benevolente, é essencial que os líderes tenham princípios morais e que a sua dedicação à sociedade faça parte do seu progresso individual. O poder de decisão não deve estar concentrado na mão de pessoas, mas sim expressado nas lideranças coletivas (comitês sociais). A democracia política só pode ser eficaz se a maioria do eleitorado possuir estes três requisitos: elevado nível de instrução, consciência socioecônomica e integridade moral.

5.Liberdade

Os indivíduos devem ter liberdade absoluta para expressar suas ideias, sua criatividade e suas aspirações internas. Tanto a liberdade intelectual como espiritual fortalecem a colectividade. Só se deve restringir as atitudes claramente prejudiciais ao bem-estar colectivo.
Por isso, no que diz respeito à acumulação de riqueza física, deve-se estabelecer uma restricção nessa esfera, pois os recursos físicos são extremamente escassos e sua acumulação ilimitada por alguns resulta em privação para muitos.

6.Diversidade Cultural

Visando a fraternidade universal, PROUT estabelece programas que protegem e estimulam a cultura, a língua, a história e as tradições das populações locais. A diversidade dos indivíduos e da cultura deve ser encorajada para fomentar a justiça e a ordem social.

7.Direito das Mulheres

PROUT estimula o combate a todas as formas de violência e exploração usadas contra as mulheres. A meta de PROUT é incentivar a cooperação coordenada e garantir direitos iguais entre homens e mulheres. PROUT defende o desenvolvimento econômico, social e espiritual das mulheres em todo o mundo.

8.Ciência e tecnologia

O conhecimento científico e a tecnologia são recursos potenciais da humanidade. A utilização apropriada desses recursos permite-nos amenizar as dificuldades do mundo material e desvendar os segredos do universo. Entretanto, o desenvolvimento e a utilização do conhecimento científico devem estar sob a orientação de valores espirituais e neo-humanistas e das lideranças moralistas. Do contrário, a tecnologia poderá ser mal utilizada por capitalistas gananciosos e ávidos de poder, resultando em destruição e exploração.

9.Governo Mundial

PROUT apóia a criação de um governo mundial baseado em direitos globais, constituição global e código penal comum, para garantir os direitos fundamentais de povos e nações e resolver as disputas regionais e internacionais. Na medida em que for implementada a descentralização econômica, será vantajoso ter um sistema político central, pois este concentrar-se-á em resolver os conflitos políticos e humanos.
  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.