A Corça e a Gentleza por Cida Medeiros

Conta a lenda que a Corsa estava passeando em suas pradarias quando ouviu um chamado.
Era o Grande Espírito soprando em seus ouvidos, para que ela fosse encontrá-lo no topo da Montanha.
E a Corsa, tão gentil, tão carinhosa, tão meiga, começou de imediato a sua Jornada rumo à morada do Grande Espírito.
Mal sabia, que ao subir a montanha, encontraria um terrível mostro, horrível, dantesco, grotesco, a mais temível e horripilante criatura.
Esse Demônio tinha a missão de impedir as pessoas e qualquer criatura de chegar ao Grande Espírito.
O Demônio era temível e assustador com seus rugidos e gestos enlouquecedores e gritos que assustavam a mais forte criatura e a faziam fugir de medo, com isso, ele se sentia cada vez mais forte e poderoso. Quase que imbatível. Todas as criaturas temiam e fugiam sem sequer ter coragem de falar sobre o assunto com quem quer que seja.
Porém, pasmem... A Corsa gentil e amorosa, não sentiu nenhum medo, apesar do Grande Demônio começar atemorizá-la, cuspindo fogo e fumaça negra, com gestos enlouquecidos, sobre a pobre Corsa, e com tantos gritos assustadores que assombravam toda a região.
Qualquer criatura da face da terra iria sair correndo e morreria de susto e de medo ao deparar-se com aquele temível demônio.
A Corsa Gentil e Amorosa, com seu olhar terno e cheio de compaixão, fitou o Demônio nos olhos e com tranqüilidade, respeito, amor e compaixão, simplesmente disse:
- Por favor, deixe-me passar, estou indo ver o Grande Espírito.
O Demônio, não acreditou...
...não acreditou no que estava vendo e de tão perplexo que ficou, fitou-a novamente.
E isso, simplesmente foi desmontando o temível demônio, ele ficou até meio sem graça, desconcertado e enquanto cedia internamente, o seu coração de pedra, começava a amolecer, e aquele olhar amoroso foi penetrando gentilmente no coração endurecido e foi dissolvendo, dissolvendo, dissolvendo, desmanchando-se em fio d’agua, formando um lago, que foi descendo pelas entranhas da montanha, purificando-se no meio do caminho e chegando as pradarias em forma de águas profundamente curativas e regeneradas pela força do amor.
E então, aquele coração triste, amargurado, ferido, que vociferava nos quatro cantos do mundo, assuntando a todos com seus gritos horripilantes e que carregava toda a dor, todo o ódio e toda maldade humana se viu rendido pelo olhar amoroso e gentil daquela humilde criatura que ouvindo o chamado do Grande Espírito, pode servir de forma tão generosa e ao mesmo tempo tão humilde, tão entregue, tão confiante na força do amor.
E assim, a Corsa, abriu caminho para que todas as criaturas pudessem a seu exemplo, confiar no chamado do Grande Espírito e pudessem beber das águas dos rios, que descem das entranhas da montanha, que comovidas com a gentileza de tão humilde criatura, ofertaram seus mistérios sagrados à serviço do Dom da Vida e da Força do Amor por todas as Criaturas.
Por Cida Medeiros

Sábado, 18 de julho de 2009 às 13:56m

2 comentários:

  1. Cida, querida, belo texto que escreveste, deixando-nos como sempre sua mensgem de Amor, Luz,Humildade.
    Aproveito ainda, para parabenizar pelo Blog. Está ótimo.Estarei sempre consultando.

    Um beijo,

    Com carinho,

    Dani

    ResponderExcluir
  2. Oi Dani, querida!
    Bela surpresa, você por aqui!
    Fiquei feliz com sua mensagem!
    Obrigada e venha sempre!
    Um forte abraço!
    Cida Medeiros

    ResponderExcluir

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.