Sobre o Sucesso. Por Cida Medeiros

Hoje vou escrever sobre uma reflexão à respeito da carreira e do sucesso.

Você consegue imaginar-se no topo de sua carreira? Com todo o sucesso e reconhecimento?

O que isso lhe causa? Quais sentimentos? Você sabe o que quer?

Se você não sabe nem o que quer, talvez precise de ajuda.

Agora, será mesmo que temos que chegar ao topo de alguma coisa?

Existe o sucesso interno e o externo.

Se você busca o reconhecimento externo, o sucesso através dos olhos dos outros, aplausos e viver no topo da montanha, sob o holofote da fama é uma escolha.

Mas precisamos refletir um pouco mais sobre essa questão.



Isso te deixa verdadeiramente feliz e em paz consigo mesmo? Você é leve? Feliz? Esta de bem consigo mesmo?

Ou está sempre no frenesi de manter o status quo?

Qual o preço da vida que você leva? Quanto te custa verdadeiramente?

Se sente escravo das situações? Tem medos profundos? Dependência?

É uma escolha? Você tem escolha?

Se você se sente feliz e vive em paz com tudo que tem, você é uma das raras pessoas que consegue isso.

A maioria vive no desespero de manter tudo aos olhos do mundo, sem poder. E muitas vezes sem aguentar mais. A um custo imenso. Um verdadeiro suplicio.

Não há julgamentos. Apenas fatos e conseqüências de viver.

Cada um faz o melhor que pode, não é mesmo? Penso que sim.

Mas podemos, ao menos, falar sobre o assunto.

- Você sente o sucesso a partir de dentro? Como é isso?

Uma das definições de sucesso é - "Experimentar um resultado feliz".

Será que podemos esperar um resultado feliz em todas as nossas ações?

Isso não é idealizado demais?

E como é lidar com as frustrações?

Você é daquelas pessoas que tiram um foto enorme e desfila em sua mente o tempo todo e ainda conta pra todo mundo o quanto é infeliz?

Ou você sabe que tanto como os bons ou maus resultados dependem de pontos de vistas diferentes e que tudo é muito relativo.

Você sabe agradar a sí mesmo?

Como podemos achar que as pessoas estão sempre a fim das mesmas coisas o tempo todo?

Existem diferenças.

E como podemos lidar com isso sem que "isso" afete nossa auto estima e nos coloque para baixo e arruine o caminho?

Eu arrisco um palpite:

- Que tal parar, ponderar, refletir e se dar uma chance de ser feliz.

ou melhor:

- O que você acha de pensar nas coisas boas que fez?

O quando enriqueceram sua vida.

- Que tal pensar nas coisas que você superou?

Talvez para você possa ser mais difícil pensar, talvez você precise sentir.

Devemos parar para respirar a vida, com consciência. Com qualidade. Com amor.

Parar e falar consigo mesmo, não é um ato egocêntrico e sim um ato de amor próprio.

A verdade não é dada por multidões, o Ser que desperta é aquele que sabe a diferença.

Quantidade não é qualidade. Pensar coletivamente é parte de um processo de crescimento e de individuação.

Ser você mesmo! Eu Sou eis a questão!

Ainda que o único espectador nesse grande palco que é a vida, (onde o personagem principal sempre será você), possa ser a Luz da Consciência, brilhando e lhe aplaudindo toda vez que você for autentico e verdadeiro consigo mesmo.

Pense nisso.

Cida Medeiros

Um comentário:

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.