Feromônio e a Homossexualidade

Interessante estudo da Agência Fapesp, que é uma Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, que divulga a Cultura Científica, à respeito da funcionalidade cerebral, através dos Feromônios, substâncias secretadas com funções de atração sexual entre indivíduos, explicando as possíveis causas de atração entre indivíduos do mesmo sexo. Vale a pena ler.
Cida Medeiros


Reações diversas
Cérebros de homens heterossexuais e homossexuais reagem diferentemente quando estimulados pelas substâncias AND e EST (foto: divulgação)

10/05/2005

Agência FAPESP - Um possível feromônio, encontrado no suor masculino, ativa funções cerebrais de homens homossexuais e de mulheres heterossexuais de maneira similar, mas não tem efeito em homens heterossexuais. A afirmação é de um estudo feito por cientistas do Instituto Karolinska, na Suécia, que será publicado esta semana no site da Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) e em seguida na versão impressa da revista.

Embora ainda não se saiba com certeza como humanos respondem a feromônios – substâncias secretadas com funções de atração sexual entre indivíduos –, a pesquisa avaliou a resposta a duas substâncias: um derivado da testosterona conhecido pela sigla AND e o esteróide EST. O primeiro é detectado principalmente no suor de homens, enquanto o outro é encontrado na urina de mulheres.

Em trabalho anterior, a pesquisadora Ivanka Savic e colegas haviam demonstrado que o hipotálamo é ativado quando homens sentem o cheiro do EST e quando mulheres sentem o AND, mas que o mesmo não ocorre quando as substâncias são trocadas.

Desta vez, os cientistas suecos procuraram examinar se padrões de estimulação cerebral induzidos pelo EST e pelo AND correspondem mais a orientações sexuais do que ao gênero. Foram comparadas as atividades cerebrais de homens homossexuais com as de homens e mulheres heterossexuais quando expostos ao EST, ao AND e a outros tipos de odores.

Os pesquisadores verificaram que o AND ativou o hipotálamo de homens homossexuais e de mulheres heterossexuais, mas não teve efeito em homens heterossexuais. Por outro lado, o EST surtiu efeito apenas neste último grupo. Todos os três grupos responderam a outros tipos de odores da mesma forma, tendo sido ativadas apenas regiões cerebrais que processam o olfato.

De acordo com os cientistas, os resultados indicam que o cérebro humano reage diferentemente a tais feromômios, em comparação com odores comuns, sugerindo uma relação entre orientação sexual e função cerebral.

O artigo Brain response to putative pheromones in homosexual men, de Ivanka Savic, Hans Berglund e Per Lindström, pode ser lido no site da PNAS, em www.pnas.org.

Fonte: http://www.fapesp.br/agencia/boletim_dentro.php?data%5Bid_materia_boletim%5D=3689

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.