O Segredo do Amor Eterno



O Segredo do Amor Eterno

Uma pergunta interessante nos foi enviada:

Uma pessoa quer saber por que o seu avô tem ciúmes de sua avó que já tem oitenta anos.

E ainda quer saber, será que ele acha que alguém ainda pode paquerá-la?


O amor, elemento desconhecido até hoje pela comunidade científica, é um dom, e só pode ser bem compreendido
por quem o adquiriu, ou seja, por quem pratica verdadeiramente a arte de amar.

A arte não é de natureza humana, pois somos apenas cópias defeituosas de um mundo perfeito,
onde a arte é praticada de forma serena e eterna, de onde podemos escutar apenas suas emanações.

Sorte daqueles que puderem ouvir este mundo perfeito, pois compreenderão todas as coisas, entre elas a origem do amor, que já consiste na alma de cada um, durante a sua própria criação.

Resposta ao enigma:

A resposta é sim. Seu avô acha que alguém ainda pode paquerá-la.

Você já deve ter entendido a origem do ciúme, e que ele está no roubo de seus pensamentos.

E já entendeu que seus pensamentos têm a origem fora de você, mas ainda não conhece um segredo que vamos adiantar um pouco para você: qual é a natureza do pensamento.

Platão, um dos maiores filósofos da antiguidade conhecia muito bem não só a origem dos pensamentos, o que já revelamos.

Mas também a natureza dos mesmos.

A natureza dos pensamentos, ou seja, como ele é realmente, assunto que abordaremos posteriormente, se quisermos dar-lhe consistência, é de forma sonora.

E está incluída no impressionante mundo das idéias que Platão tentava demonstrar em suas obras.

Esta idéia, de forma sonora, ou musical, é uma das formas com que foi criada a sua avó, ou seja, ela tem uma forma igualzinha a idéia que a criou.

E como é de natureza sonora, a música interna que toca nas células dela, que são as mesmas que observamos em
A Origem do Amor, estarão para sempre tocando da mesma forma.

Quando a gente se apaixona, como aconteceu com seu avô, se apaixona pela alma, ou seja, pela natureza de sua alma, que é de origem musical.

Como seu avô é apaixonado até hoje por ela, ele não está ligado a ela pela matéria, que já envelheceu,
mas pela música de sua alma que ela emite até hoje.

Seu avô continua ouvindo esta música maravilhosa que a sua avó produz, a mesma que sua alma toca desde que ala nasceu, ou melhor, ele a vê com os mesmos olhos de sessenta anos atrás, quando a conheceu.

Ela ainda tem a mesma beleza que para ele será eterna. Você só vai compreender isto quando se apaixonar também.

Por isso se diz que o amor é cego. É cego apenas para quem não vê.
do livro:

A Origem Divina de Todas as Coisas
William Fiel

Um comentário:

  1. Anônimo3:52 PM

    Gostei muito do seu blog...parabéns!!!

    http://cultoo.blogspot.com

    ResponderExcluir

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.