A simplicidade da vida


As vezes sinto que a vida é muito simples de se viver, muito fácil de se construir, que as coisas melhores e mais profícuas são feitas da mais pura simplicidade, a simplicidade de Ser, de viver cada momento como único, sem volta, singular e em paz...

A mente é poderosa, ela destrói a simplicidade, dá força a razão e constroem muralhas enormes e complexas que dificulta o viver.




Os pensamentos criam as neuroses e estas, os monstros que nos atormentam  e nos ferem a cada passo.

Que destrói o belo e nos priva de viver a cada momento como se fosse uma oportunidade cósmica de se viver em intimidade com a vida interior, ligada a inteligencia suprema e universal, que se irradia onde quer que estejamos.

Esta energia que esta fora é a mesma que se encontra no âmago do nosso Ser, a parte iluminada que todo Ser traz dentro de si. 

Quando essa energia é irradiada e passada por entre os destroços ou os lixos do nosso mundo interior, ai poderia dizer que a harmonia e a paz se fizeram presentes e o encontro cósmico de energias afins nos proporciona a sensação de  unidade com o principio da vida.

O motivo de tudo é a universalidade do infinito, sem isso a vida não tem sentido a ninguém.

Conviver com o vazio existencial é doloroso e triste.

Entristecesse-me ver as pessoas desligadas  ou desconectadas com essa energia interior e exterior, passando por processos de auto-flagelo, auto-destruição e um endeusamento sem limites ao materialismo selvagem e destruidor.

Somos Seres de Amor, e o amor transforma, acrescenta, modifica e dá um sentido a vida. E o amor nada mais é que uma porção de toda essa energia vinda das profundezas e da qual não sabemos muita vezes lidar.

Tudo contribui para que a desarmonia impere, os valores foram invertidos e a ideologia predominante é o da destruição consciente ou inconscientemente, ela é que impera, a superficialidade, a fuga, até atingir o planeta. 

O Planeta recebe as irradiações dos seres humanos, e essa é maior para o mal, do que para o bem.

Por que ao invés disso o  ser humano não se compromete com a paz? Com a harmonia? Com a Inteligência Cósmica? 

Por que não a Felicidade?

Por que reina o mal é não o bem?

Onde foi que nos perdemos?

E por que razão transformamos o ouro em prata, a prata em ferro, o ferro em chumbo e com isso enfraquecemos todo o nosso potencial de iluminados?

Existem Planetas muito avançados com seres de uma luz tão intensa e um desenvolvimento tão grande, que tenho a sensação que essas criaturas desenvolvem o seu papel no todo universal, irradiando ao nosso planeta a força para impedir que a destruição ocorra em tão pouco tempo.

Texto escrito em 22.10.1989 por Cida Medeiros 












Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bem vindo! Deixe aqui seu comentário.